8 episódios

Num mundo polarizado e cheio de desinformação, uma ideia simples e ao mesmo tempo revolucionária está em xeque mais uma vez: a de que, mesmo diferentes, todas as pessoas têm direitos iguais. No podcast Cara Pessoa, a jornalista Fernanda Mena discute quais são os desafios dos direitos humanos na prática, com histórias de quem pensa o assunto e de quem também se movimenta para que eles sejam mais do que palavras bonitas num papel. O programa é uma parceria entre a Folha e a Conectas.

Cara Pessoa Folha de S. Paulo

    • Sociedade e cultura
    • 3.5 • 96 avaliações

Num mundo polarizado e cheio de desinformação, uma ideia simples e ao mesmo tempo revolucionária está em xeque mais uma vez: a de que, mesmo diferentes, todas as pessoas têm direitos iguais. No podcast Cara Pessoa, a jornalista Fernanda Mena discute quais são os desafios dos direitos humanos na prática, com histórias de quem pensa o assunto e de quem também se movimenta para que eles sejam mais do que palavras bonitas num papel. O programa é uma parceria entre a Folha e a Conectas.

    O motor da violência policial

    O motor da violência policial

    Cara pessoa, a morte é o fim mais trágico do fenômeno da violência policial no Brasil. E só em 2019 foram 6.357 pessoas mortas pelas polícias no Brasil. Mas onde é que a violência policial começa? O episódio do podcast Cara Pessoa, mostra o ciclo vicioso deste fenômeno, que começa com as violações de direitos humanos dos próprios policiais e que gera violações de direitos humanos por parte das polícias. O sargento da Polícia Militar Elisandro Lotin e o tenente-coronel Adilson de Paes Souza explicam como gira esse motor da violência dentro das corporações. A advogada Thayná Yaredy, vice-presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB-SP, trata da vitimização de pessoas negras nas duas pontas dessa história: quem atira e quem morre. Fernanda Garcia fala da dor e indignação de quem sofre essa violência por representantes do Estado. Ela é irmã de Dennys Guilherme dos Santos Franco, de 16 anos, um dos nove jovens mortos em dezembro de 2019, durante uma ação policial num baile funk na favela de Paraisópolis, em São Paulo. O cientista político e relator da ONU, Paulo Sérgio Pinheiro, pioneiro nos estudos das polícias, explica por que o modelo atual serve às elites e gera um apartheid de fato. E Samira Bueno, diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revela como existe um sistema que, por um lado, incentiva o uso da violência letal por parte das polícias e que, por outro, promove a impunidade de ações criminosas das polícias.

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 29 min
    A branquitude e o racismo estrutural

    A branquitude e o racismo estrutural

    Cara Pessoa, faz tempo que pesquisas mostram que a maioria dos brasileiros reconhece haver racismo no Brasil, mas uma minoria absoluta admite ser racista. É uma conta que não fecha. E que diz muito sobre como os brasileiros se posicionam no debate sobre injustiças raciais: o problema existe, mas eu não tenho nada a ver com isso. Dois intelectuais e ativistas ligados ao movimento negro —a médica Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional no Brasil, e o jurista Silvio Almeida, colunista da Folha e autor do livro "Racismo Estrutrural"— explicam como todos somos parte da trama do racismo. Duas pesquisadoras da branquitude e de relações raciais —Lia Vainer Schucman, autora de "Entre o Encardido, o Branco e o Branquíssimo", e a norte-americana Robin DiAngelo, que escreveu "White Fragility" (fragilidade branca)— contam como surgiu a ideia de raça e de que maneira ela estrutura um sistema de privilégios. A jornalista e ativista Bianca Santanna fala da experiência que deu título ao livro "Quando me descobri negra". E trata das dores e violências a que as pessoas negras são submetidas no Brasil Elas estão na origem da canção "Olhos Coloridos", um hino do orgulho negro interpretado por Sandra de Sá —que conta a história da música.

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 30 min
    Justiça não é vingança

    Justiça não é vingança

    Cara Pessoa, o sistema de Justiça criminal no Brasil está repleto de problemas. Basta perguntar pra qualquer um que o conheça. O médico Drauzio Varella, autor de três livros sobre o sistema carcerário e colunista da Folha, é voluntário em presídios há mais de 30 anos, e conta no episódio o que viu e o que pensa sobre prisões no Brasil. Dois jovens negros falam da experiência que marcou duas vidas e do racismo que enxergaram na polícia, no Judiciário e nos presídios: Danillo Félix, preso injustamente, e Emerson Ferreira, que cumpriu pena para descobrir que, mesmo assim, tinha perdido parte e seus direitos civis e políticos. E as advogadas Sheila de Carvalho, que integra o Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura, e Marina Dias Werneck, diretora-executiva do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD) falam de dignidade no cumprimento da pena e de justiça restaurativa.

     

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 43 min
    As fronteiras da liberdade de expressão

    As fronteiras da liberdade de expressão

    Cara Pessoa, num mundo polarizado e cheio de desinformação, a liberdade de expressão e de informação vive a sua maior crise dos últimos tempos. Uma crise que coloca em xeque a democracia moderna, insustentável sem esses direitos humanos, atacados por tentativas de censura, por ameaças e por aquilo que chamamos de discurso de ódio. Esse é o tema do quarto episódio do podcast Cara Pessoa, que trata dos desafios dos direitos humanos na prática. A jornalista Patrícia Campos Mello, alvo de uma campanha de difamação depois de revelar esquemas ilegais de disparo de mensagens em massa nas eleições brasileiras de 2018, fala sobre o surgimento de uma máquina do ódio a partir da manipulação de dados e de redes de comunicação digital, e a antropóloga Fernanda Martins, do InternetLab, analisa as estruturas que favorecem esse novo regime. A diretora-executiva da ONG Artigo 19, Denise Dora, explica como o ataque a jornalistas, em especial jornalistas mulheres, pelo atual governo, compromete a liberdade de expressão. Os colunistas da Folha Conrado Hubner Mendes, que é professor da USP, e Thiago Amparo, professor da FGV Direito, explicam a difícil relação entre a Justiça, a expressão livre e os discursos de ódio. E a cartunista Laerte explora as relações entre liberdade, censura e humor.

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 34 min
    Malala e as ameaças à educação

    Malala e as ameaças à educação

    Cara Pessoa, a história da paquistanesa Malala Yousafzai, a Nobel da Paz que é também a maior ativista global pela educação e igualdade de gênero, é muito inspiradora. E ainda que o Brasil não seja o Paquistão sob o regime extremista islâmico do Taleban, a violência armada também atrapalha, e muito, o exercício do direito à educação pra muitas crianças e jovens. Ouça Malala falando da importância deste direito, consagrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, para a proteção dos direitos humanos, mas também para o crescimento econômico, no desenvolvimento e na inovação. E renove seu olhar sobre quão estratégico é o acesso a esse direito junto com o economista Naércio Menezes, o advogado e colunista da Folha Thiago Amparo e a socióloga Neca Setubal.

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 28 min
    O mal-estar da desigualdade

    O mal-estar da desigualdade

    Cara Pessoa, o Brasil é um dos países mais desiguais do mundo e com menor mobilidade social. Nesse contexto de contrastes em tantas áreas da vida, não é incomum que o mal-estar da desigualdade seja neutralizado no cotidiano, naturalizando injustiças e violações. Pra ilustrar a relação entre desigualdade, incômodo e preconceito, o episódio traz um experimento científico e uma confissão. Também fala com a advogada e ativista Sheila de Carvalho, a médica e diretora da Anistia Internacional, Jurema Werneck, e o economista e pesquisador da desigualdade, Naércio Menezes.




    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 29 min

Opiniões de clientes

3.5 de 5
96 avaliações

96 avaliações

Heitor Souza Assis ,

O melhor dos melhores

Não tem como não ouvir. A Folha de SP sempre se superando fazendo podcasts cada vez melhores. Recomendo para todos que possam. Muito bom!

Recebeka ,

Provocador e reflexivo.

Não há como ouvir sem refletir, sem se sentir desconfortável e por isso mesmo é tão importante ouvir.

Emanuely Sasaki ,

.

Podcast maravilhoso, gratidão! 💕

Top podcasts em Sociedade e cultura