156 episódios

Análises da conjuntura política brasileira, entrevistas, informações, opiniões

Plataforma Brasília Luís Costa Pinto

    • Governo
    • 5,0 • 1 avaliação

Análises da conjuntura política brasileira, entrevistas, informações, opiniões

    # 102 - Sua Excelência, O Fato - "A luta faz a lei", diz José Dirceu ao convocar participação maciça nos atos de sábado: Fora, Bolsonaro

    # 102 - Sua Excelência, O Fato - "A luta faz a lei", diz José Dirceu ao convocar participação maciça nos atos de sábado: Fora, Bolsonaro

    “A luta faz a lei”, diz José Dirceu ao convocar: “às ruas, sábado, para dizer Fora, Bolsonaro”.



    O ex-deputado José Dirceu, ministro da Casa Civil no 1º mandato de Lula na Presidência da República, crê que as ruas de todo o País demonstrarão sábado, nos atos de protesto contra Bolsonaro convocados por diversos movimentos da sociedade, força e vigor ainda maiores do que aqueles ocorridos em 29 de maio. “A luta faz a lei”, diz ele. E segue explicando o que pensa: “as ruas de sábado, para o Fora, Bolsonaro, vão mostrar que há hoje uma maioria que não suporta mais a ausência de governo, que não suporta a divisão social, a exclusão. E elas têm de começar a preparar o pós-Bolsonaro também”. Ele fez essa convocação ao participar do programa Sua Excelência, O Fato esta manhã, com os jornalistas Luís Costa Pinto e Eumano Silva. A íntegra do programa está no link abaixo, nesta página.

    Para Dirceu, o maior desafio do ex-presidente Lula num eventual terceiro mandato na Presidência é trabalhar institucionalmente o regresso do Brasil ao pacto social e político que foi estabelecido a partir da Constituição de 1988. “A Constituição nos deu um pacto social, político, institucional que foi quebrado a partir do período do Temer”, analisa. “E isso se agravou muito com Bolsonaro. Destruíram o pacto político, o pacto social, o pacto democrático que traçamos com os militares. Devolver os militares para os quarteis, remontar a rede de bem-estar social, devolver as conquistas trabalhistas aos trabalhadores... há muito a ser feito no pós-Bolsonaro”. Para ele, além de tudo isso, será fundamental reposicionar o País na cena internacional. “O Brasil virou uma Nação periférica. Bolsonaro fez isso. E Lula é quem tem o maior preparo e a maior experiência para refazer os caminhos e restaurar a imagem brasileira no mundo”, crê o ex-ministro da Casa Civil.

    Em sua participação no Sua Excelência, O Fato José Dirceu dedicou bastante tempo a ressaltar a importância que a esquerda brasileira tem de dar à reconstrução de pontes com as alas democráticas das Forças Armadas. “Sempre houve democratas entre os oficiais do Exército, da Marinha, da Aeronáutica”, disse ele. “Depois do golpe de 1964 a ditadura precisou cassar mais de 1.000 oficiais. Eram militares que não concordavam com o golpe. O general Lott e o brigadeiro Eduardo Gomes, por exemplo, não eram golpistas. Há oficiais que não vão baixar a cabeça para ordens antidemocráticas e golpistas do Bolsonaro que virão depois da inevitável derrota dele nas urnas”, diz Dirceu. “Precisamos trazê-los para cá, deixar claro que o Brasil precisa sim de Forçar Armadas – mas, de Forçar Armadas equipadas, profissionalizadas, que defendam o Estado e o território. Não é concebível imaginar o Brasil sem Forças Armadas, nós não queremos isso”, alerta. E, para ele, o grande desafio da esquerda é apartar a adesão de militares a falanges e milícias das polícias militares e de algumas guardas municipais que são mais permeáveis ao discurso de ódio do bolsonarismo. “Fundamental estar atentos a esses movimentos das PMs, das polícias civis”, diz.


    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/luis-costa-pinto/message

    • 1h 17 min
    # 38 - Pitonisa do Lago Sul - Racionamento de energia e blecautes no 2º semestre/ Lobby na MP da Eletrobras.

    # 38 - Pitonisa do Lago Sul - Racionamento de energia e blecautes no 2º semestre/ Lobby na MP da Eletrobras.

    O racionamento de energia no 2º semestre não só é inevitável como será maior do que o ocorrido em 2001. Sete usinas hidrelétricas do Sudeste e do Centro-Oeste secarão totalmente. Almirante de Esquadra, e incompetente na gestão dessa crise energética como o general Pazuello o foi na crise sanitária da pandemia, sintetizando a incompetência dos militares para a gestão pública, o ministro das Minas e Energia Bento Albuquerque está perdido em meio a lobbies e ignorâncias estúpidas (e corruptas) em Brasília. Ele se concentra na privatização da Eletrobras, tocada por meio de um lobby que tem por trás o notório empresário baiano Carlos Suarez. Eis a análise política em fast-track.


    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/luis-costa-pinto/message

    • 10 min
    # 101 - Sua Excelência, O Fato - Wizard tenta ser desconvocado para CPI; a semana política

    # 101 - Sua Excelência, O Fato - Wizard tenta ser desconvocado para CPI; a semana política

    Wizard, empresário bolsonarista, tentou comprar desconvocação à CPI



    No programa Sua Excelência, O Fato (link para a íntegra abaixo) desta segunda-feira o jornalista Luís Costa Pinto afirma que o empresário bolsonarista Carlos Wizard, convocado para depor na quinta-feira (17/06) à CPI do Genocídio, tentou insistentemente estabelecer alguma “ponte” que conseguisse fazer os senadores da comissão desistirem de convocá-lo. Ao menos uma pessoa que trabalha na área do lobby empresarial em Brasília, e que é fonte de Costa Pinto, foi contactada por Wizard para esse fim. Consultor de relações institucionais, o profissional declinou de qualquer possibilidade de cumprir a “missão” e aconselhou o formulador do gabinete paralelo da cloroquina a se preparar para o embate.

    O jornalista Eumano Silva, que também integra a bancada do Sua Excelência, O Fato, lembrou no programa que a CPI do Genocídio já foi muito além do tripé de investigações inicialmente proposto – falta de vacinas, negacionismo científico a administração de medicamentos sem eficácia e ausência de plano nacional de contenção à disseminação do vírus. “Agora, a CPI precisa sentar para analisar os documentos que a CPI a tem a fim de preparar as denúncias”, diz Eumano. “Acho que ela está falha e lenta nesse aspecto”.

    Costa Pinto e Eumano foram muito duros, aindaao advertir para as manobras do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), que manobra o Parlamento claramente no sentido de aprovar uma lei que obrigue a instituição voto impresso em 2022, como quer Jair Bolsonaro, e do modelo eleitoral de distritão. “Insistir no voto impresso é uma forma de interditar o debate e preparar as bases para um golpe”, diz Costa Pinto, que leu durante o programa trechos de artigo do sociólogo Celso Rocha de Barros publicado na Folha de S Paulo e que alerta para o que chama de “o golpe de 2022”. Eumano Silva, por sua vez, ressalta que o distritão desqualifica a representação política e destrói os partidos ao privilegiar a eleição de pastores, youtubers, palhaços, comunicadores.


    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/luis-costa-pinto/message

    • 59 min
    # 100 - Sua Excelência, O Fato - Um bate-papo sobre Jornalismo e novos meios com Lilian Tahan, diretora-executiva do Metrópoles

    # 100 - Sua Excelência, O Fato - Um bate-papo sobre Jornalismo e novos meios com Lilian Tahan, diretora-executiva do Metrópoles

    Os desafios do Jornalismo nos dias atuais


    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/luis-costa-pinto/message

    • 1h 12 min
    # 37 - Pitonisa do Lago Sul: O TSE ainda tem algum papel a cumprir para ajudar a restaurar a democracia?

    # 37 - Pitonisa do Lago Sul: O TSE ainda tem algum papel a cumprir para ajudar a restaurar a democracia?

    Análise em fast track.


    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/luis-costa-pinto/message

    • 5 min
    # 98 - Sua Excelência, O Fato. - “Bolsonaro tem objetivos golpistas; Pacheco e Lira não podem ficar calados e Congresso e STF têm de ser contra o golpe”, alerta senador Alessandro Vieira

    # 98 - Sua Excelência, O Fato. - “Bolsonaro tem objetivos golpistas; Pacheco e Lira não podem ficar calados e Congresso e STF têm de ser contra o golpe”, alerta senador Alessandro Vieira

    “Bolsonaro tem objetivos golpistas; Pacheco e Lira não podem ficar calados e Congresso e STF têm de ser contra o golpe”, alerta senador Alessandro Vieira

    Ao participar do programa Sua Excelência, O Fato desta segunda-feira (link abaixo) o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), líder de seu partido e integrante da CPI do Genocídio alertou para a postura de arriscada parcimônia dos presidentes da Câmara e do Senado para com as ameaças golpistas de Jair Bolsonaro. “Não há dúvida de que o presidente da República tem um objetivo golpista”, disse Vieira. E seguiu: “Bolsonaro nunca escondeu que é um admirador da ditadura. Provavelmente, ele entende que esse é o mecanismo para fazer gestão de Estado. Na verdade, defender a ditadura é um mero esconderijo da sua própria fraqueza e incompetência. Ele é incompetente para fazer um plano de Brasil. É incompetente para colocar qualquer plano em prática. Aí a desculpa que as instituições não funcionam, as regras tão erradas. E que é preciso subverter tudo isso.”

    O líder do Cidadania acredita que todos os caminhos de apurações de atos e omissões do governo federal conduziram à tragédia brasileira no rumo do genocídio – são quase 480.000 mortos por Covid-19 desde março de 2020 – e que o presidente da República tem responsabilidades civis e criminais nesse desastre humanitário. Ele se revelou decepcionado com a condução dos presidentes da Câmara e do Senado no atual estágio da crise política. “O Congresso está cumprindo parcialmente seu papel. Os presidentes das Casas, o senador Rodrigo Pacheco e o deputado federal Arthur Lira estão muito abaixo daquilo que se espera de quem comanda um poder e percebe que a democracia brasileira está em risco. E você não pode ter presidentes de poderes da República que fiquem calados”, diz Vieira. E segue: “E isso aconteceu não só no Parlamento, mas também no Supremo Tribunal Federal.”

    O senador sergipano disse ainda aos jornalistas Luís Costa Pinto e Eumano Silva, que conduziam o programa, crer em “recuo tático” ao analisar o procedimento do Alto Comando do Exército ao não punir o general e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello pela quebra da disciplina dos quarteis ao participar de ato político com Bolsonaro. “Nós precisamos ter um cuidado grande para tentar compreender o gesto do comando do Exército ao não punir o Pazuello. Esse gesto tanto pode ser uma rendição ao Bolsonaro como pode ser um recuo tático.”, diz ele. “O histórico do general Paulo Sérgio Nogueira (comandante-geral do Exército) é positivo, é democrático. É preciso ter uma compreensão mais afinada dos próximos passos que virão.”. Para ele, presidente da República insistirá no estresse institucional. “Bolsonaro é o tipo de governante que pode exonerar a cúpula das Forças Armadas por motivos obscuros”, advertiu.


    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/luis-costa-pinto/message

    • 56 min

Opiniões de clientes

5,0 de 5
1 avaliação

1 avaliação

Top podcasts em Governo