50 min

Rafael Grohmann: A questão do trabalho plataformizado Guia Prático

    • Notícias Tech

Na semana em que a Agência Pública revelou o trabalho sujo do iFood em sabotar o movimento dos entregadores que demandam melhores condições de trabalho, Jacqueline Lafloufa e Rodrigo Ghedin recebem o pesquisador Rafael Grohmann, professor da Unisinos, diretor do laboratório de pesquisas Digilabour e coordenador da Fairwork no Brasil, para falar de trabalho plataformizado. É possível que as plataformas ofereçam trabalhos decentes? Quais alternativas temos às comerciais? E o que nós, pessoas preocupadas com essa deteriorização da condição trabalhista, podemos fazer para ajudar?


Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho
Nesta semana, o Manual do Usuário ganhou 15 novos apoiadores: Lucas Schutz, Thiago Corrêa, Eduardo Souza, Erivan Filho, Filipe Marques Sathler Guimarães, Flavio Bragança, Amanda Calazans, Pedro Saliba, Raquel Ritter Longhi, William Cesar Braga, José Eduardo de Oliveira Silva, Rafael Tanaka, Tamires Carvalho, Daniel de Azevedo Gimigliano e um que pediu para permanecer anônimo. Obrigado!

Gosta do podcast? Toque aqui e torne-se um(a) apoiador(a). A partir do plano II (R$ 16/mês), você acompanha as gravações ao vivo e ganha outros mimos.
Indicações culturais

Grohmann: A série Years and years [HBO Max], de Russell T. Davies; o livro Platform socialism: How to reclaim our digital future from big tech [Amazon]1, de James Muldoon; e o livro Platforms and Cultural Production [Amazon]1, de Thomas Poell, David B Nieborg e Brooke Erin Duffy.
Jacque: O livro Fumaça e espelhos: Contos e ilusões, de Neil Gaiman.
Ghedin: A série Hilda Furacão [Globoplay], de Glória Perez.

Recados
Quer mandar seu alô para nós? Escreva para podcast@manualdousuario.net.

O Guia Prático é editado pelo estúdio Tumpats.
Links citados na conversa

A máquina oculta de propaganda do iFood, na Agência Pública.
Trabalho em plataformas digitais está longe de ser justo no Brasil.



Ao comprar por estes links, o Manual do Usuário recebe uma pequena comissão das lojas. O preço final para você não muda. ↩

Na semana em que a Agência Pública revelou o trabalho sujo do iFood em sabotar o movimento dos entregadores que demandam melhores condições de trabalho, Jacqueline Lafloufa e Rodrigo Ghedin recebem o pesquisador Rafael Grohmann, professor da Unisinos, diretor do laboratório de pesquisas Digilabour e coordenador da Fairwork no Brasil, para falar de trabalho plataformizado. É possível que as plataformas ofereçam trabalhos decentes? Quais alternativas temos às comerciais? E o que nós, pessoas preocupadas com essa deteriorização da condição trabalhista, podemos fazer para ajudar?


Apoie o Manual pelo preço de um cafezinho
Nesta semana, o Manual do Usuário ganhou 15 novos apoiadores: Lucas Schutz, Thiago Corrêa, Eduardo Souza, Erivan Filho, Filipe Marques Sathler Guimarães, Flavio Bragança, Amanda Calazans, Pedro Saliba, Raquel Ritter Longhi, William Cesar Braga, José Eduardo de Oliveira Silva, Rafael Tanaka, Tamires Carvalho, Daniel de Azevedo Gimigliano e um que pediu para permanecer anônimo. Obrigado!

Gosta do podcast? Toque aqui e torne-se um(a) apoiador(a). A partir do plano II (R$ 16/mês), você acompanha as gravações ao vivo e ganha outros mimos.
Indicações culturais

Grohmann: A série Years and years [HBO Max], de Russell T. Davies; o livro Platform socialism: How to reclaim our digital future from big tech [Amazon]1, de James Muldoon; e o livro Platforms and Cultural Production [Amazon]1, de Thomas Poell, David B Nieborg e Brooke Erin Duffy.
Jacque: O livro Fumaça e espelhos: Contos e ilusões, de Neil Gaiman.
Ghedin: A série Hilda Furacão [Globoplay], de Glória Perez.

Recados
Quer mandar seu alô para nós? Escreva para podcast@manualdousuario.net.

O Guia Prático é editado pelo estúdio Tumpats.
Links citados na conversa

A máquina oculta de propaganda do iFood, na Agência Pública.
Trabalho em plataformas digitais está longe de ser justo no Brasil.



Ao comprar por estes links, o Manual do Usuário recebe uma pequena comissão das lojas. O preço final para você não muda. ↩

50 min