1 hr 59 min

#113 – Pensamento Chinês, Giorgio Sinedin‪o‬ Filosofia Pop

    • Philosophy

Recebemos o professor Giorgio Sinedino para falar sobre o pensamento chinês.







Giorgio Sinedino, sinólogo e tradutor, PhD em filosofia chinesa pela Universidade Renmin da China e mestre na mesma disciplina pela Universidade de Pequim.  Organizou edições pioneiras em português dos Analectos e Dao De Jing.  Lançará uma edição dos Ensaios de Zhuangzi em 2021.  Tem se dedicado à compilação, tradução e investigação de textos clássicos sobre as artes chinesas, publicando artigos e ensaios sobre poética, teoria literária, pintura, caligrafia e música.  Mantém um programa semanal sobre pensadores chineses na Rádio China Internacional.















(1)   Por que estudar filosofia chinesa?  Compreendendo o novo sistema internacional que está a surgir







(2)   A filosofia chinesa hoje é vista num contexto de “World Philosophy”.  Quais as vantagens e desvantagens dessa abordagem?







(3)   Até que ponto podemos falar de uma “filosofia chinesa”? Criticando a “apropriação cultural” e revigorando o conceito de “Literatura”







(4)   Qual o pano de fundo institucional do pensamento chinês? A teoria dos “Impérios Orientais” de Karl Wittfogel







(5)   Quais as características gerais do pensamento chinês?  O aporte de uma abordagem sociológica







(6)   Como podemos periodizar o pensamento chinês?  Como comparar tal periodização à da filosofia ocidental?







(7)   O que é exatamente o “pensamento clássico chinês” (sécs. VI-III a.C.)? As Cem Escolas







(8)   Qual a influência da unificação imperial em 221 a.C. sobre o pensamento chinês? A formação do sistema de clássicos ortodoxos







(9)   Por que os períodos de maior criatividade intelectual na China são justamente os de maior desordem sócio-política?  O exemplo do longo “Período de Desunião” (sécs III-VI)







(10)   De que maneira o Budismo influenciou o pensamento chinês (sécs III-XI)?  O único caso de importação cultural de outra alta civilização







(11)   Como a reunificação chinesa a partir do séc. VI influenciou a vida intelectual?  Patrocínio estatal e cultura oficial sob o novo Império







(12)   É verdade que o pensamento chinês estagnou-se a partir da dominação mongol (final do séc. XIII em diante)?  A luta pela hegemonia intelectual e ideológica:  as Três Doutrinas.







(13) A modernidade foi um epifenômeno para o pensamento chinês?







O Filosofia Pop é um podcast que aborda a filosofia como parte da cultura.







Se você curtiu o episódio, deixe seu comentário. É muito importante termos o retorno dos nossos ouvintes.







* Instagram: podcastfilosofiapop* Twitter:@filosofia_pop* Facebook: Página do Filosofia Pop* YouTube: Canal do Filosofia Pop* e-mail: contato@filosofiapop.com.br* Site: https://filosofiapop.com.br* Podcast: Feed RSS* Guia para assinar o podcast







Vamos nos encontrar aqui a cada duas semanas para ...

Recebemos o professor Giorgio Sinedino para falar sobre o pensamento chinês.







Giorgio Sinedino, sinólogo e tradutor, PhD em filosofia chinesa pela Universidade Renmin da China e mestre na mesma disciplina pela Universidade de Pequim.  Organizou edições pioneiras em português dos Analectos e Dao De Jing.  Lançará uma edição dos Ensaios de Zhuangzi em 2021.  Tem se dedicado à compilação, tradução e investigação de textos clássicos sobre as artes chinesas, publicando artigos e ensaios sobre poética, teoria literária, pintura, caligrafia e música.  Mantém um programa semanal sobre pensadores chineses na Rádio China Internacional.















(1)   Por que estudar filosofia chinesa?  Compreendendo o novo sistema internacional que está a surgir







(2)   A filosofia chinesa hoje é vista num contexto de “World Philosophy”.  Quais as vantagens e desvantagens dessa abordagem?







(3)   Até que ponto podemos falar de uma “filosofia chinesa”? Criticando a “apropriação cultural” e revigorando o conceito de “Literatura”







(4)   Qual o pano de fundo institucional do pensamento chinês? A teoria dos “Impérios Orientais” de Karl Wittfogel







(5)   Quais as características gerais do pensamento chinês?  O aporte de uma abordagem sociológica







(6)   Como podemos periodizar o pensamento chinês?  Como comparar tal periodização à da filosofia ocidental?







(7)   O que é exatamente o “pensamento clássico chinês” (sécs. VI-III a.C.)? As Cem Escolas







(8)   Qual a influência da unificação imperial em 221 a.C. sobre o pensamento chinês? A formação do sistema de clássicos ortodoxos







(9)   Por que os períodos de maior criatividade intelectual na China são justamente os de maior desordem sócio-política?  O exemplo do longo “Período de Desunião” (sécs III-VI)







(10)   De que maneira o Budismo influenciou o pensamento chinês (sécs III-XI)?  O único caso de importação cultural de outra alta civilização







(11)   Como a reunificação chinesa a partir do séc. VI influenciou a vida intelectual?  Patrocínio estatal e cultura oficial sob o novo Império







(12)   É verdade que o pensamento chinês estagnou-se a partir da dominação mongol (final do séc. XIII em diante)?  A luta pela hegemonia intelectual e ideológica:  as Três Doutrinas.







(13) A modernidade foi um epifenômeno para o pensamento chinês?







O Filosofia Pop é um podcast que aborda a filosofia como parte da cultura.







Se você curtiu o episódio, deixe seu comentário. É muito importante termos o retorno dos nossos ouvintes.







* Instagram: podcastfilosofiapop* Twitter:@filosofia_pop* Facebook: Página do Filosofia Pop* YouTube: Canal do Filosofia Pop* e-mail: contato@filosofiapop.com.br* Site: https://filosofiapop.com.br* Podcast: Feed RSS* Guia para assinar o podcast







Vamos nos encontrar aqui a cada duas semanas para ...

1 hr 59 min

Top Podcasts In Philosophy