42 episodes

O seu podcast empírico e científico sobre parto humanizado.
Relatos de parto de todo o Brasil que escutam, acolhem e informam

42 semanas 42 semanas

    • Kids & Family

O seu podcast empírico e científico sobre parto humanizado.
Relatos de parto de todo o Brasil que escutam, acolhem e informam

    #42 Gestação: da descoberta da gravidez à preparação para o parto e o puerpério.

    #42 Gestação: da descoberta da gravidez à preparação para o parto e o puerpério.

    ... descrições completas no instagram @42semanas

    • 55 min
    #41 Partos das famosas: Violências obstétricas travestidas de humanização? Partos naturais e as experiências da Doula Jaquelini com as várias faces de violência no período reprodutivo

    #41 Partos das famosas: Violências obstétricas travestidas de humanização? Partos naturais e as experiências da Doula Jaquelini com as várias faces de violência no período reprodutivo

    O episódio #41 foi com a Jaquelini @jaquelinidoula. Doula, educadora perinatal e mãe de duas crianças. 

    A discussão inicial foi sobre a nossa postura, enquanto militantes da humanização do parto, diante de relatos de partos online cheios de violência obstétrica sendo anunciados como parto humanizado.

    Discutimos o relato de um parto divulgado recentemente no youtube, em que houve, nitidamente, diversas violências obstétricas porém, a narrativa as encobre de tal forma que dá a entender que as condutas violentas da equipe foram necessárias e respeitosas. 

    Muitas das atitudes desta equipe parecem ter sido realizadas sob a carapaça da  “violência perfeita”, quando o(a) profissional induz a mulher a algo desnecessário/violento fazendo-a interiorizar a sugestão como se fosse seu próprio desejo ou escolha. É feito de tal forma que a mulher não percebe a perda da autonomia nem a coerção do(a) profissional. Exemplo disso são as ameaças veladas, ditas em um tom de falsa ternura à uma parturiente vulnerável, como: '"Ô Fulana, seria muito bom fazer isso, porque se não o bebezinho não vai aguentar” ou “Mãezinha, eu vou ter que fazer um piquezinho porque o coraçãozinho do seu bebê está muito fraquinho, tá bom?”

    Normalizar condutas violentas é muito perigoso. E veicular nas redes sociais esses relatos de forma a parecer que são condutas humanizadas é problemático. 

    Nas redes falamos para um público. Nossos seguidores podem nos ver como fontes de autoridade e verdade.

    Repassar casos de violência sem reconhecê-la e denunciá-la é propagar uma educação perinatal distorcida e perigosa, pois pode induzir pessoas a acreditar que aquilo é aceitável e respeitoso.

    Na segunda metade do episódio, Jaquelini conta sobre a violência obstétrica sofrida nos seus dois partos.

    Ela, que não sentia desejo de ser mãe, passou por um negacionismo quando descobriu sua  primeira gestação, já com 22 semanas.
    Até a 30° semana estava convicta de que faria uma cesárea eletiva, após ter lido uma reportagem falando do “ponto do marido’’, uma conduta violenta e desrespeitosa, adotada por alguns médicos que, ao suturar uma episiotomia, dão um ponto a mais, para deixar a vagina mais “apertada” e dar maior prazer para o marido. 
    Mas, depois de assistir ao “Renascimento do Parto”, firmou seu desejo de buscar por um parto natural. Então, com 36 semanas, em busca do seu parto humanizado, foi para o Rio de Janeiro, para parir na maternidade Maria Amélia. Porém, a assistência não foi como ela esperava. Fizeram um descolamento de membranas sem real indicação e com 7 cm de dilatação foi amarrada à cama, sem poder se movimentar. A sequência de violências a fez ir embora da maternidade em meio ao trabalho de parto!

    Na segunda gestação, as violências obstétricas começaram mais cedo, já na assistência pré-natal.
    No trabalho de parto, a caminho do hospital já sentia puxos e a cabecinha do bebê, que nasceu no estacionamento de um pronto socorro, recebendo assistência de médicos e enfermeiras dentro do carro. Quando encaminhada para o hospital, o terror das violências se deu em cascata. Jaquelini sofreu abuso psicológico, físico, verbal e institucional. 
    ---
    É muito importante trazermos aqui relatos de partos violentos e desrespeitosos, como forma de alerta!
    A violência obstétrica é institucionalizada e escapar dela é um grande desafio. Principalmente pela falta de opções de maternidades no Brasil com condutas respeitosas e baseadas em evidências científicas.
    Precisamos nos informar e lutar pelo direito de trazer nossos filhos ao mundo com respeito e com assistência humanizada. 

    A Jaquilini fez da sua experiência dolorosa um ato de revolução. É uma mulher que está somando para a reconstrução desse cenário!

    • 1 hr 10 min
    #40 Mulher gorda pode parir? PODE! Parto natural a jato hospitalar com a advogada Dywliane Kawanny

    #40 Mulher gorda pode parir? PODE! Parto natural a jato hospitalar com a advogada Dywliane Kawanny

    Episódio 40 no ar! Isso mesmo, o 42 semanas chegou ao termo completo! São 40 episódios de pura informação com relatos de partos positivos.
    .
    E essa semana temos a advogada Dywliane Kawanny.
 A @dywlianekawannyadv é uma mulher gorda que entrou em contato por email para contar seu relato depois de ouvir todos os episódios do podcast na sua preparação

. A Dywli sofreu desde o início da gravidez com o desrespeito no sistema médico por causa do seu peso.
    .
    Mesmo com enjôos muito fortes, sem se alimentar e perdendo 8 kg a preocupação era com sua emagrecer e não comua saúde e bem estar.


    .
    Depois de uma experiência traumática com um ultrasonografista que a deixou em lágrimas e se sentindo inadequada, ela entendeu que não conseguiria parir se continuasse com o atendimento padrão de Apucarana.
    .
    

Assim, ela encontrou a @patimorettidoula e o @obstetra.jadkaue que ajudaram ela escrever sua história com autonomia e respeito.


    .
    Ela entrou em trabalho de parto espontâneo, chegou no hospital com dilatação completa e pariu naturalmente depois de 1 hora e meia no hospital. 


    .
    Leia um trechinho do relato dela:

“Mesmo emagrecendo 8 kgs, eu chegava e a primeira coisa que perguntaram era: - Você está controlando a alimentação? Gente, eu não estava conseguindo comer!

    Então essa gordofobia é velada pela questão da gestação… … é um preconceito pelo seu corpo, seu biotipo”.
    .
    
Vem ouvir esse episódio em todas as plataformas e aprender com a gente que mulher gorda pode parir (se a deixarem). 

Informação é tudo! Deixe sua opinião ou comentário abaixo:

    .
    RECOMENDAÇÕES:
    .
    1.Jad Kaue Domene, Obstetra e Ginecologista @obstetra.jadkaue
    .
    2. Braulio Zorzella Obstetra, Médico Obstetra @brauliozorzella_obstetra
    .
    3. Documentáro "O renascimento do parto"
 (disponível na Netflix) @orenascimento_
    .
    4. Relato de parto da @bebedorminhoco sobre parada nas contrações depois de chamar a euqipe (Podcast "Parto in foco")
    .
    5. Gentle Birth @gentlebirthbrasil , @gentlebirthofficial
    .
    Referências bibliográficas
    .
    O risco de cesáreas eletivas:
    shorturl.at/tJV56
    .
    Bebês nascidos de cesárea tem microbioma diferente (e faltam algumas boas bactérias)
    shorturl.at/foAIS

    Crianças nascidas de cesárea sem indicação tem risco 25% aumentado de morte na infância (Fiocruz)
    shorturl.at/ixFW6

    Em português:
 Os efeitos da cesárea eletiva em consequências perinatais:
    shorturl.at/hsAD6
    .
    #relatodeparto #gestante #nascimento  #partohumanizado #gordaspodemparir #podcast #partonatural #partonormal #cesarea #culturacesarista

    • 1 hr 3 min
    #39 As diferentes culturas de parto do Brasil e os ensinamentos da parteria tradicional com a doula Andressa Carvalho

    #39 As diferentes culturas de parto do Brasil e os ensinamentos da parteria tradicional com a doula Andressa Carvalho

    Referências e descrição vem a seguir. Para mais informações visite o instagram @42semanas.

    • 36 min
    #38 Parto no Canadá, gravidez, doutorado, rede de apoio no exterior e parto no -20 ℃, o cabelo congelou!

    #38 Parto no Canadá, gravidez, doutorado, rede de apoio no exterior e parto no -20 ℃, o cabelo congelou!

    Referências completas no instagram @42semanas

    • 1 hr 7 min
    #37 Bebê surpresa e trabalho de parto longo. 36 horas de parto natural domiciliar por Aline Freitas

    #37 Bebê surpresa e trabalho de parto longo. 36 horas de parto natural domiciliar por Aline Freitas

    36 horas de trabalho de parto, bebê surpresa e um parto positivo natural e domiciliar por @alinefreitasmua
    .
    O 42 semanas chegou ao termo! Isso mesmo. O episódio número 37 está no ar em todas as plataformas para você ouvir essa história incrível de um parto natural longo.

    .
    A Aline Freitas veio para o podcast compartilhar sua história de maternidade. A Aline e o Jefferson escolheram desde antes da gravidez que o parto seria domiciliar e que o sexo do bebê seria descoberto na hora do parto.
    .
    A Aline usou de técnicas de acumpuntura, fez terapia gestacional e entrou em trabalho de parto naturalmente, porém ela teve um trabalho de parto longo.
    .
    Ela estava certa que o bebê ia nascer em casa e mesmo com a possibilidade da transferência e da falta de progressão ela usou todas as técnicas para garantir a fisiologia do seu parto e teve um parto natural.
    .
    O Levi chegou diretamente para as mãos do pai, leio um trechinho do relato da Aline:
    .

    “… E eu com muito medo, e eu ali de quatro apoios, eu até achei que eu não tinha falado… …Eu achei que eu só tinha pensado, eu não vou conseguir, mas eu falei: Eu não vou conseguir!
    .
    ..Daí elas falaram: Não Aline, você vai conseguir, você vai conseguir, CORAGEM! CORAGEM!…
    .
    A Priscila falou para mim: Coloca a mão Aline, sente a cabeça dele. E eu não quis de primeira… Dai ela falou de novo… …Daí eu coloquei a mão, senti a cabeça dele mesmo para fora, e daí que eu fiz a maior força da minha vida que eu tirei uma força não sei da onde… … e foi aí que ele saiu…

    .

    É um portal mesmo, porque o nosso canal vaginal se abre de uma maneira que a gente não tem ideia.”
    .
    Recomendações
    .
    (63:20) Livro parto ativo
    (63:54) O renascimento do parto 1 @orenascimento_
    (64:08) Meditação https://insighttimer.com/br
    .
    Menções e referências
    .

    (12:40) Sobre não saber o sexo do bebê e menção a @vanessalino_
    (16:10) Traumas e o parto
    https://www.bbc.com/future/article/20190424-the-hidden-trauma-of-childbirth
    https://www.focusforhealth.org/when-sexual-abuse-survivors-give-birth/

    (17:20) Memória celular do embrião? Review sobre memórias estressantes no embrião feto e bebê
    https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6482218/

    (19:03) Sobre epigenética

    https://www.nature.com/articles/nature13648
    (36:00) Sobre usar pentes no parto
    https://paisefilhos.uol.com.br/gravidez/segurar-pente-de-plastico-pode-aliviar-as-dores-do-trabalho-de-parto/

    .

    Equipe do parto @parteiras_casaluna
    .

    Parteiras @priscilamariacolacioppo e @gioffragoso

    Doula @evelindias

    Imagens @andressa_tiny e @luckfilmesoficial

    Pai parteiro @jef.plens

    .
    #partonatural #partodomiciliar #podcast #relatodeparto #partonormal #indução #doula #parto #gravidez

    • 1 hr 13 min

Top Podcasts In Kids & Family