368 episódios

C. H. Spurgeon nos leva a refletir sobre as maravilhas do amor de Deus. Destacando versículos bíblicos para cada dia do ano, Spurgeon os comenta de modo piedoso, submisso e encorajador, oferecendo-nos a nutrição que a nossa alma necessita.

Devocional Diário CHARLES SPURGEON Ministério Fiel

    • Religião e espiritualidade
    • 4,9 • 128 avaliações

C. H. Spurgeon nos leva a refletir sobre as maravilhas do amor de Deus. Destacando versículos bíblicos para cada dia do ano, Spurgeon os comenta de modo piedoso, submisso e encorajador, oferecendo-nos a nutrição que a nossa alma necessita.

    26 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    26 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    26 de Junho “És semelhante a nós.” (Isaías 14.10)

    Qual será a condenação do apóstata, quando sua alma desprotegida comparecer diante de Deus? Como ele reagirá ao ouvir aquela voz: 11Aparte-se, maldito. Você praticou a iniquidade. Você Me rejeitou; Eu o rejeito. Amou a prostituição e afastou-se de Mim. Também o banirei para sempre de minha presença e não terei misericórdia de você"?
    Qual será a vergonha desse infeliz naquele último dia, quando as multidões estiverem reunidas na presença de Deus e o apóstata for desmascarado? Vejam os profanos e pecadores, que nunca professaram religião, levantando-se de suas camas de fogo, a fim de apontar para ele. "Aqui está ele", diz um, "pregará o evangelho no inferno?" Outro diz: "Ele me repreendeu por amaldiçoar e ele mesmo era um hipócrita!" "Aha!", diz um outro, "aqui vem um cantor dos salmos, que nunca faltava às reuniões; ele, que se gabava de sua certeza de vida eterna, e aqui está ele!" Jamais se verá maior prontidão entre os atormentadores satânicos do que a que demonstrarão no dia em que os demônios arrastarem a alma dos hipócritas à perdição eterna. John Bunyan retratou este fato com excelência de poesia, compacta mas terrível, quando falou sobre o caminho para o inferno. Sete demônios amarram o infeliz com nove cordas, arrastam-no do caminho que conduz ao céu, o qual ele professava estar seguindo, e lançam-no pelas portas do inferno.
    Leitor, pense sobre este caminho para o inferno. "Examinai-vos a vós mesmos se realmente estais na fé" (2 Coríntios 13.5). Considere bem o seu próprio estado e certifique-se de estar em Cristo ou não. A coisa mais fácil do mundo é proferirmos um veredito tranquilizante quando nosso próprio "eu" está sendo investigado, mas seja justo e verdadeiro nesta questão. Seja justo para com todos, mas, rigoroso em relação a você mesmo. Lembre: se você não tiver construído sobre a rocha, quando a casa ruir, grande será a sua queda (ver Mateus 7.27)! Que o Senhor lhe dê sinceridade, constância e firmeza; que em tempo algum, não importando quão difícil seja, não se afaste do Senhor.

    • 2 min
    25 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    25 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    25 de Junho - “Sobe a um monte alto!” (Isaías 40.9)

    Nosso conhecimento de Cristo é de algum modo semelhante a subir a uma montanha. Quando você senta na base da montanha, vê muito pouco. A própria montanha parece ter apenas a metade de sua altura real. Confinado em um pequeno vale, você não descobre quase nada, exceto os córregos ondulantes que descem até ao rio, no pé da montanha. Suba até ao primeiro outeiro, e o vale se estenderá e se ampliará aos seus pés. Suba mais um pouco, e verá a terra ao redor, no alcance de seis ou oito quilômetros, e se deleitará com tão grande panorama. Suba ainda mais, e o cenário se amplia; até que, por fim, você chega ao topo e olha para o leste, para o oeste, para o norte e para o sul e vê quase toda aquela região diante de si. Talvez uma floresta acolá, em algum município distante, o mar, um rio brilhante, chaminés em alguma cidade industrial, ou os mastros de navios num ativo porto. Todas estas coisas encantam e agradam você, que diz: "Eu não imaginava que dava para ver tanto desta altura".
    Ora, a vida cristã segue esta mesma ordem. Quando inicialmente cremos no Senhor Jesus, vemos pouco dele. Quanto mais subimos, tanto mais descobrimos sobre as belezas de Cristo. No entanto, quem já atingiu o topo? Quem já conheceu toda a altura e a profundeza do amor de Cristo que excede todo o entendimento (ver Efésios 3.19)? O apóstolo Paulo, em sua velhice, com cabelos grisalhos, sofrendo em uma prisão, em Roma, pôde dizer com maior ênfase do que nós podemos fazê-lo: "Sei em quem tenho crido" (2 Timóteo 1.12). Cada experiência do apóstolo havia sido como o subir uma montanha; cada provação, semelhante a ascender a outro topo; e sua morte se parecia com o atingir o topo da montanha. Dali, ele poderia ver a fidelidade e o amor dAquele a quem ele havia rendido a sua alma. Suba, querido irmão, ao monte alto!

    • 2 min
    24 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    24 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    24 de Junho - “Uma mulher, que estava entre a multidão, exclamou e disse-lhe: Bem-aventurada aquela que te concebeu, e os seios que te amamentaram! Ele, porém, respondeu: Antes, bem-aventurados são os que ouvem a palavra de Deus e a guardam!” (Lucas 11.27,28)

    Alguns imaginam, com bastante confiança, que ter sido a mãe de nosso Senhor envolveu privilégios especiais. Eles supõem que Maria teve o privilégio de olhar para o próprio coração dele de um modo que não podemos esperar que o faremos. Pode haver uma aparência de verdade nesta suposição, mas não muita. Não sabemos o que a mãe de nosso Senhor sabia mais do que as outras pessoas. O que ela sabia, fez bem em guardar no coração, mas, de tudo o que lemos nos evangelhos, não parece que ela foi uma crente mais instruída do que qualquer outro dos discípulos do Senhor. Tudo o que ela sabia, também podemos saber. Você se admira de que possamos dizer isso? Eis um versículo para prová-lo: "A intimidade do SENHOR é para os que o temem, aos quais ele dará a conhecer a sua aliança" (Salmos 25.14). Lembre as palavras de nosso Senhor: "Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer" (João 15.15).
    O divino Revelador dos segredos nos revela o seu coração, e não esconde nada do que é proveitoso para nós. "Se assim não fora, eu vo-lo teria dito" (João 14.2). Ele não se manifesta para nós, nos dias de hoje, como não o faz ao mundo? Portanto, não exclamaremos por ignorância: "Bem-aventurada aquela que te concebeu". Em vez disso, bendiremos inteligentemente a Deus, porque, tendo ouvido e guardado a Palavra de dele, temos verdadeira familiaridade com os segredos do coração do Senhor, assim como Maria, que muitos supõem ter obtido esses segredos. Quão felizes são aqueles que têm este privilégio!

    • 2 min
    23 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    23 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    3 de Junho
    “Efraim ... é um pão que não foi virado.” (Oséias 7.8)
    Se uma panqueca não for virada, ela ficará crua de um lado. Em diversos aspectos, Efraim era semelhante a uma panqueca não virada. Ele tinha áreas em sua vida que não foram tocadas pela graça de Deus. Embora houvesse alguma obediência parcial, também existia muita rebeldia. Alma minha, eu ordeno que você verifique, se este é o seu caso. Você tem um coração completo nas coisas do Senhor? A graça de Deus, por meio de suas obras, penetrou até ao âmago do seu ser, em todas as suas forças, ações, palavras e pensamentos? Ser santificado em seu corpo, alma e espírito deve ser o seu alvo; e embora a santificação em você possa não ser perfeita em grau, ainda assim deve ser geral quanto a ação. Não pode haver aparência de santidade em uma área e entrega ao pecado em outra; pois, deste modo, você será um pão que não foi virado. Um bolo não virado logo queima no lado mais próximo ao fogo, e embora nenhum homem possa ter religião em demasia, há alguns que parecem bastante queimados com zelo fanático pela parte da verdade que receberam, ou são reduzidos a carvão com uma ostentação farisaica daquelas atitudes religiosas que se ajustam ao seu caráter. A suposta aparência de santidade superior acompanha frequentemente uma completa ausência de piedade vital. Às vezes, aquele que é santo em público é um demônio em secreto. O pão que está assado de um lado pode ser massa crua do outro lado.
    Ó Senhor, se isto acontece comigo, vira-me! Vira a minha natureza não santificada para o fogo do teu amor, permitindo-a sentir o calor sagrado. Faze com que meu lado já tostado esfrie um pouco, enquanto aprendo de minha própria fraqueza; e deseje aquecimento, ao estar longe de tua chama celestial. Não permita que eu seja um homem de coração dividido, e sim que esteja completamente sob a poderosa influência da tua graça dominadora. Sei que, se me deixares como um pão que não foi virado, sem ser objeto da tua graça, terei de ser consumido para sempre nas chamas eternas (ver Isaías 33.14).

    • 2 min
    22 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    22 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    22 de Junho - Ele mesmo edificará o templo do SENHOR e será revestido de glória. (Zacarias 6.13)

    Cristo mesmo é o edificador de seu templo espiritual. Ele o construiu sobre as montanhas de seu amor imutável, de sua graça onipotente e de sua infalível veracidade. Mas, assim como aconteceu com o templo de Salomão, assim também acontece com o templo espiritual de Cristo. Os materiais precisam ser preparados. Os cedros do Líbano não estão moldados para o edifício. As árvores ainda não foram cortadas, preparadas e transformadas naquelas tábuas de cedro cuja beleza odorífera alegrará as cortes da casa do Senhor, no Paraíso. As pedras rústicas ainda estão na pedreira; têm de ser talhadas e quadradas. Tudo isso constitui a obra de Cristo. Todo crente está sendo preparado, polido e tornado pronto para o seu lugar no templo. Mas as próprias mãos de Cristo realizam a obra de preparação. As aflições não podem nos santificar, exceto quando o Senhor Jesus as utiliza com este objetivo. Nossas orações e esforços não podem nos tornar preparados para o céu sem a mão de Jesus, que molda nosso coração. Na edificação do templo de Salomão, não se ouviu nem martelo, nem machado, nem qualquer instrumento de ferro (ver 1 Reis 6.7), porque tudo foi trazido completamente preparado para o lugar exato que teria de ocupar. Assim ocorre com o templo que o Senhor Jesus está construindo: o tornar preparado se realiza completamente na terra. Quando chegarmos ao céu, não haverá mais santificação; tampouco haverá alguma preparação por meio de aflições ou qualquer aplanar por meio de tribulação. Não! Temos de ser preparados aqui. Cristo fará tudo de antemão. E quando o tiver feito, seremos transportados por uma mão de amor, através do rio da morte, e trazidos à Jerusalém celestial para permanecer como pilares eternos no templo de nosso Senhor.
    Sob os olhos e cuidado dEle, o edifício será erguido, Majestoso, belo e forte, acima dos céus, terá o seu brilho.

    • 2 min
    21 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    21 de junho | Devocional Diário CHARLES SPURGEON

    21 de Junho “Verão e inverno, tu os fizeste.” (Salmos 74.17)

    Ó minha alma, começa a estação de inverno com o teu Deus.
    A geada fria e os ventos congelantes lembram-te que Ele guarda a sua aliança com o dia e a noite. Podes ter certeza de que Ele também guardará a gloriosa aliança que fez contigo na pessoa de Jesus. Aquele que é fiel à sua palavra na mudança de estações deste mundo infeliz e contaminado pelo pecado não se mostrará infiel em seus lidares com o seu próprio Filho amado.
    O inverno na alma não é, de modo algum, uma estação confortável. Se agora você está passando por essa estação, tal experiência lhe será bastante dolorosa. Mas existe uma consolação, ou seja, o Senhor tem permitido isso. Ele envia os bruscos ventos da adversidade para congelar os botões de flor da expectativa. Ele espalha a geada, em semelhança de cinza, sobre as campinas verdes de nossa alegria. Ele lança seu gelo em pedacinhos congelando as fontes de nosso deleite. Ele faz tudo isso. Ele é o grande Rei do inverno e governa nos domínios do frio; portanto, você não pode reclamar. Perdas, cruzes, opressão, doença, pobreza e mil outras calamidades são enviadas pelo Senhor e nos têm sobrevindo com um propósito sábio. O frio mata insetos nocivos e põe um fim em doenças severas. Abre a terra endurecida e amolece o solo. Oh! que esses resultados benditos sempre acompanhem nossos invernos de aflição! Como valorizamos o fogo agora! Quão agradável é o seu brilho! Louvemos ao nosso Senhor da mesma maneira, Aquele que é a fonte constante de calor e conforto em toda hora de tribulação.
    Aproximemo-nos do Senhor e encontremos alegria e paz em nosso crer. Envolvamo-nos com as vestes calorosas das promessas dele e saiamos aos labores adequados desta época. Ser como o preguiçoso que não lavra por conta do frio resultará em severas consequências, pois terá de mendigar até mesmo no verão e nada terá.

    • 2 min

Opiniões de clientes

4,9 de 5
128 avaliações

128 avaliações

Pamdp ,

É incrível!

Escuto todo dia e é um alento pra alma!

danidrs ,

Deus seja louvado!

Obrigada por disponibilizar doses diárias de reflexões sobre nossa vida Cristã.

LiaSeveN ,

Herói da fé!

Que esse projeto alcance muitas almas! Que maravilhoso ter as ministrações de Spurgeon dessa forma! Louvado seja Deus pelo Ministério Fiel!

Top podcasts em Religião e espiritualidade

Tiago Brunet
Juliana Aguilar
Padre Paulo Ricardo
Jesuscopy
HUB Mídia
Joyce Meyer

Você Também Pode Gostar de

Jesuscopy
Tiago Brunet
Educação em Meia Hora
Ministério Fiel
CBN
Folha de S.Paulo