24 episodes

Entrevistas com personalidades das mais diversas áreas

Páginas Amarelas Páginas Amarelas

    • News

Entrevistas com personalidades das mais diversas áreas

    Boris Fausto: ‘PT sem Lula é capenga; PSDB sem FHC é mais ainda’

    Boris Fausto: ‘PT sem Lula é capenga; PSDB sem FHC é mais ainda’

    O historiador Boris Fausto pode até antever – e querer – um país bem menos desigual e “odiento” em 2031, quando completará 100 anos de idade. Mas neste momento, aos 89, afirma haver risco real de o Brasil recair em uma ditadura em razão da personalidade autoritária que preside o país e da falta de líderes que, com ressonância na população, encarnem a defesa da democracia. Fausto não tem dúvidas sobre o perfil de extrema-direita do presidente Jair Bolsonaro. Mas ainda espera que as contínuas reações de vários setores, entre os quais o cultural, impeça essa “descida do país aos infernos”.

    Em entrevista a Amarelas em Vídeo, o estudioso que detalhou a história do Brasil desde a colônia aos tempos modernos e que escreveu clássicos como A Revolução de 1930, explica a vitória eleitoral de Bolsonaro e avalia que nenhum outro presidente, “nem de longe”, se assemelha a ele. Registra a parcela de responsabilidade do PT nessa ascensão da extrema-direita, mas também é duro com relação ao destino político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quem não vislumbra outra vez no Palácio do Planalto, e de seu partido.

    “O PT sem Lula é capenga de uma das pernas”, afirma, para em seguida enfatizar que o tucanato sem o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso “é mais ainda”. “O PSDB, como foi criado, não existe mais.”

    Boris Fausto comenta as novas lideranças claramente engajadas na campanha presidencial de 2022 como alternativas a Bolsonaro. Também fala de sua guinada literária ou jornalística nos últimos anos, com obras como O Crime da Galeria de Cristal, que marcou seu encontro com Albertina, um personagem real polêmico entre os paulistanos no início do século XX.

    • 31 min
    Bia Haddad sobre suspensão por doping: ‘Fui do céu ao inferno em 10 dias’

    Bia Haddad sobre suspensão por doping: ‘Fui do céu ao inferno em 10 dias’

    Beatriz Haddad Maia, 23 anos, é a melhor atleta do tênis feminino brasileiro. Em junho de 2019, sua carreira foi interrompida por um exame de doping, que acusou a presença de duas substâncias anabolizantes proibidas em seu organismo.

    “Fui do céu ao inferno em menos de 10 dias”, conta Bia em entrevista ao programa Páginas Amarelas, sobre o momento em que recebeu a notícia sobre o teste. Ela havia acabado de vencer a ex-número 1 do mundo Garbiñe Muguruza em sua estreia na temporada 2019 do torneio de Wimbledon, em Londres.

    Desde que o resultado de seus exames foi liberado, a tenista pausou sua carreira. Em fevereiro deste ano, Bia Haddad recebeu o veredito da Federação Internacional de Tênis (ITF) que, apesar de aceitar o fato de as substâncias proibidas encontradas nas amostras da atleta terem surgido de forma não intencional, a condenou a 10 meses de suspensão. Como a contagem do prazo é retroativa, a tenista ficará livre para atuar profissionalmente nas quadras a partir de 22 de maio de 2020.

    Na entrevista, Bia Haddad conta como foram os meses em que ficou parada, esperando o julgamento da ITF, como se prepara para voltar às quadras e quais são suas expectativas para o futuro de sua carreira. “Nos seis primeiros meses foi difícil ir aos clubes e ver as pessoas me olharem diferente, ver as pessoas que você gosta duvidarem de você”, relata. “Estou usando esse tempo para aprender, fazer coisas novas e voltar mais forte”.

    • 28 min
    É provável termos uma vacina para coronavírus até o final do ano, diz Celso Granato

    É provável termos uma vacina para coronavírus até o final do ano, diz Celso Granato

    Desde janeiro, o Sars-CoV-2, nova cepa de coronavírus identificada na China, causa preocupação devido ao aumento constante do número de pessoas diagnosticadas com a doença respiratória Covid-19. A chegada do vírus ao Brasil na semana passada causou pânico e corrida aos hospitais, unidades de saúde e farmácias em busca de álcool gel e máscara de proteção. “Toda vez que a gente tem um surto novo, as pessoas têm medo. Mas a gente não detectou, até esse momento, não há circulação interna do vírus. Então não há necessidade de toda essa preocupação. É possível que mude? Eu acho que é possível. Mas nesse momento eu não vejo uma justificativa para isso”,  afirma o infectologista Celso Granato, diretor clínico do Grupo Fleury, em entrevista ao programa Páginas Amarelas.

    Granato está satisfeito com a resposta do Ministério da Saúde como resposta ao coronavírus, mas ressalta que é preciso lembrar outros problemas de saúde pública enfrentados no país, como dengue e sarampo. “A gente fica com um pouco de preocupação. Será um que um país que tem esse tipo de situação de saúde vai conseguir implementar tudo aquilo que está sendo proposto? Se nós fizermos isso direitinho, acho que a gente vai ter uma epidemia ou surto controlado”, diz o especialista.

    Ele enfatiza ainda a importância de cada pessoa fazer sua parte para prevenir a disseminação da doença ao colocar em prática a etiqueta respiratória e a higienização constante das mãos. Enaltece a velocidade inédita no desenvolvimento de um tratamento e de uma vacina contra a doença respiratória e desmente as principais fake news disseminadas nas redes sobre curas milagrosas e recomendações preventivas contraditórias contra o novo coronavírus.

    • 33 min
    “Vi os planos de 90, de 2010 e agora de 2020. Estou ansioso”, diz Semenzato

    “Vi os planos de 90, de 2010 e agora de 2020. Estou ansioso”, diz Semenzato

    Para empreender num país como o Brasil, precisa ser um pouco de tudo. Ousado, inteligente, versátil. Mas não é preciso ser rico, garante José Carlos Semenzato, um ex-vendedor de coxinhas que criou fortuna com cursos de informática e redes de franquias. Desde o ano passado, ele integra o grupo de investidores do reality show Shark Tank Brasil. Segundo Semenzato, ele está lá justamente para mostrar que é possível ser bem-sucedido a partir de esforço, foco no trabalho e ética.

    Com a fama, o empresário diz que muita coisa mudou sem sua vida. Suas empresas, como Espaçolaser, OdontoCompany, Oakberry e L'Entrecóte de Paris já eram reconhecidas pelo grande público — afinal, faturou mais de 1,3 bilhão de reais em 2019. Mas seu rosto não era até ir para a frente das câmeras. Pessoas passaram a reconhecê-lo, a abordá-lo e a pedir autógrafos. Apesar disso, diz que não tem medo de andar nas ruas por ser um bilionário reconhecível. “Não tenho paranoia. Temos que levar uma vida normal”, comenta.

    Ele está otimista com o Brasil. Apesar das caneladas verbais do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, diz perceber um clima de esperança entre os empresários. “Vi os planos de 90, de 2010 e agora de 2020. Estou ansioso”, diz.

    Semenzato visitou os estúdios de VEJA no fim de janeiro. Ouça na íntegra sua entrevista ao editor Machado da Costa.

    • 28 min
    Wanessa Camargo fala sobre depressão: ‘Fiquei 8 meses procurando um norte’

    Wanessa Camargo fala sobre depressão: ‘Fiquei 8 meses procurando um norte’

    Wanessa Camargo, 37 anos, completa duas décadas de carreira em 2020. E que trajetória: durante esse período ela foi do pop para o eletrônico, do hip hop para o sertanejo, e agora está de volta ao pop. Para a cantora, essa constante mudança faz parte da sua personalidade. E quem sabe o próximo álbum poderá se de rock pesado (brincadeira).

    Nascida em Goiânia, mas há tempos radicada em São Paulo, a cantora é filha de Zezé di Camargo, um dos maiores nomes da música sertaneja em todos os tempos. Wanessa fala das dificuldades de sair à sombra do pai. A recente separação de Zezé com Zilu, mãe da artista, também entra em pauta. Wanessa comenta como superou o fato de que os pais não está mais juntos e que nos últimos tempos se aproximou de Graciela Lacerda, atual mulher do pai.

    No campo pessoal, Wanessa fala de sua batalha contra a depressão, que motivou a escrever a canção Desiste Não, seu último single. Mulher Gato, pop dançante no qual ela aparecia em poses sexy, também foi assunto da entrevista. Segundo a cantora, é uma maneira da mulher com mais de 30 anos e mãe expressar sua sensualidade. “Temos de ter criatividade”, diz.

    • 31 min
    ‘Não dependa do INSS, o governo não pagará sua conta’, diz Nathalia Arcuri

    ‘Não dependa do INSS, o governo não pagará sua conta’, diz Nathalia Arcuri

    Com a aprovação da reforma da Previdência, que apertou as regras para o trabalhador se aposentar, o brasileiro precisa começar a planejar a sua vida financeira para quando resolver deixar o mercado de trabalho. “Não dependa do INSS. O governo não vai pagar a sua conta. Ou você começa a fazer a sua reserva agora e faz o seu dinheiro trabalhar para você, ou, depois, não vai adiantar chorar”, afirmou a especialista em finanças pessoais Nathalia Arcuri, em entrevista a Alessandra Kianek, editora de VEJA, no programa Páginas Amarelas.

    A youtuber, que tem mais de 4,5 milhões de inscritos em seu canal na internet, defendeu a necessidade da reforma, mas alertou: “Se já está difícil para quem é aposentado hoje, vai ficar muito pior para quem for se aposentar amanhã.” Segundo ela, para planejar uma velhice mais confortável financeiramente, o melhor que todo mundo faz é entender e aprender sobre investimentos. “Para quem quer se aposentar daqui a 10 anos, a corrida tem de ser muito maior. O esforço de trabalho para fazer mais dinheiro é muito maior. Já para quem tem tempo, o esforço é muito menor, porque tem a ação de juros sobre juros.” Por esse motivo, Nathalia defende o planejamento o quanto antes, ainda na juventude.

    Ela mesma começou cedo a cuidar do próprio dinheiro para realizar um sonho. Aos 8 anos, descobriu que não ganhava mesada e que os pais não faziam uma poupança para ela, e aí resolveu começar a guardar o dinheiro do lanche, para poder comprar um carro quando fizesse 18 anos. “Objetivos claros me ajudaram a dizer não para tudo aquilo que era menos importante.”

    Com a Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira no mais baixo nível da história, as pessoas precisam buscar alternativa para fazer o seu dinheiro render mais, já que aplicações mais conservadoras em renda fixa irão perder da inflação neste ano. “A pior coisa que alguém pode fazer hoje em dia é deixar o dinheiro na poupança. Quem deixar as economias na poupança em 2020 vai perder dinheiro”, afirmou Nathalia. Isso vai acontecer porque a inflação será maior do que o ganho da caderneta. A saída, segundo ela, é ir para a renda variável. “Com os juros nos níveis atuais, não tem jeito, as pessoas terão de entender mais sobre fundos imobiliários, fundos de ações, fundos multimercados e ações de empresas. E mesmo quem tem pouco dinheiro pode ganhar sim. Não estamos falando só de quem é rico.”

    Para quem quer começar a aplicar o seu dinheiro, a youtuber recomenda buscar aprendizado sobre finanças e investimentos. “É necessário pegar um tempo na sua vida, ao menos 5 minutos do seu dia, para estudar. Chegou o momento em que não dá mais para a pessoa ficar passiva na sua vida financeira, como se ela não tivesse nada a ver com isso.”

    Aplicar em renda variável pode render mais ganhos, mas oferece mais risco e requer sangue frio em momentos de turbulência, como este de agora da epidemia de coronavírus. “Quanto mais despreparado esse investidor estiver mais essas oscilações vão desestabilizá-lo. A bolsa é um investimento de longo prazo. Eu tenho ações que nesta semana tiveram oscilação para baixo, mas estou olhando para o médio e longo prazos. Então, eu não vou tirar o dinheiro agora, porque sei que vai se recuperar.” Quem colocar dinheiro em bolsa de valores tem de saber que uma gripe na China pode derrubar seus investimentos aqui no Brasil.

    • 33 min

Top Podcasts In News

Listeners Also Subscribed To