120 episodes

Este é o podcast do canal do Youtube #ForadaPolíticaNãoháSalvação, produzido pelo cientista político Cláudio Couto. Os programas do YouTube estão disponíveis aqui na versão de áudio.
Um podcast voltado à discussão da conjuntura política, em especial a brasileira, com base no conhecimento acadêmico produzido sobre a política, as políticas públicas e o direito público.
Novos episódios disponíveis aos sábados de manhã.

Conheça nosso blog no site da CartaCapital. https://www.cartacapital.com.br/blogs/fora-da-politica/

#ConjunturaPolítica #PolíticaBrasileira #PolíticasPúblicas

Fora da Política Não há Salvação Cláudio Couto

    • News

Este é o podcast do canal do Youtube #ForadaPolíticaNãoháSalvação, produzido pelo cientista político Cláudio Couto. Os programas do YouTube estão disponíveis aqui na versão de áudio.
Um podcast voltado à discussão da conjuntura política, em especial a brasileira, com base no conhecimento acadêmico produzido sobre a política, as políticas públicas e o direito público.
Novos episódios disponíveis aos sábados de manhã.

Conheça nosso blog no site da CartaCapital. https://www.cartacapital.com.br/blogs/fora-da-politica/

#ConjunturaPolítica #PolíticaBrasileira #PolíticasPúblicas

    Compaixão: a ética salva, com Renato Janine Ribeiro | #112

    Compaixão: a ética salva, com Renato Janine Ribeiro | #112

    A ética salva?

    A pandemia da Covid-19 colocou para nós, brasileiros, assim como para o mundo todo, desafios muito grandes. E tudo poderia ter sido ainda pior se não tivéssemos condições científicas e tecnológicas antes inexistentes para enfrentar esse problema, bem como a compaixão por aqueles que sofrem.

    Essas duas questões são discutidas por Renato Janine Ribeiro, professor titular de Ética e Filosofia Política da USP, ex-ministro da Educação e atual presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Ele as trata em seu novo livro: Duas ideias filosóficas e a pandemia, publicado pela Estação Liberdade.

    Neste episódio do #ForadaPolíticaNãoháSalvação, Renato Janine Ribeiro discute esses temas, partindo de duas noções, de Jean-Jacques Rousseau e Karl Marx, como forma de compreender problemas centrais da política contemporânea.

    Ele aponta que a democracia não é um mero instrumento prático para a tomada de decisões políticas, mas contempla uma dimensão ética, em que a compaixão tem um papel central, pois não apenas define quem somos, mas faz com que nos vejamos como iguais, pois sentimos com o outro ao sentirmos por ele.

    A volta da extrema-direita ao poder expressa um enfraquecimento da compaixão, que dá lugar a seu oposto: o ódio. E se a compaixão é um sentimento indispensável à democracia, o ódio é um sentimento que a corrói.

    O fortalecimento do ódio nas democracias contemporâneas, inclusive no Brasil, decorre do ressentimento daqueles que se veem como perdedores no processo de transformação social. Perdem seu lugar distinguido para o imigrante, as mulheres, os negros, os homossexuais, as classes emergentes...

    E é desse fortalecimento do ódio que emergem não só a extrema-direita, como suas lideranças políticas, incapazes de empatia e compaixão – como é o caso, no Brasil, de Jair Bolsonaro, que demonstrou isso com clareza em seu comportamento durante a pandemia.

    Mas não é só a compaixão que tem nos ajudado. Também os avanços científicos e tecnológicos têm sido fundamentais, permitindo o rápido desenvolvimento de vacinas e o trabalho remoto, por exemplo. É nesse contexto que ganha sentido a ideia de Karl Marx segundo a qual “a humanidade somente se propõe as tarefas que pode resolver”.

    A noção de tarefa é crucial aí, pois supõe a detenção dos meios para enfrentar certos problemas que, noutros contextos, seriam insolúveis e, assim, não seriam tarefas, mas tragédias.



    Twitter: @JanineRenato



    Músicas deste episódio

    "The Loom is to Love" dos Mini Vandals e "Pink Flamenco" de Doug Maxwell.



    Leia o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação na CartaCapital



    #Ética #Compaixão #Ciência #Tecnologia #Filosofia #ConjunturaPolítica #PolíticaBrasileira #Pandemia #Covid19


    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/fpns/message

    • 1 hr
    Lula & Alckmin, com Maria do Socorro Braga e Carlos Ranulfo Melo | #111

    Lula & Alckmin, com Maria do Socorro Braga e Carlos Ranulfo Melo | #111

    Com a corrida para as eleições de 2022 a toda, aumentam as movimentações dos pré-candidatos e as especulações sobre o que vem por aí.

    Um dos elementos novos é a possibilidade de uma chapa Lula-Alckmin para a disputa presidencial. Com isso, os ex-adversários se tornariam aliados, dando um colorido inesperado às alianças eleitorais.

    Para Lula e o PT, a aproximação com Alckmin significa uma clara inflexão ao centro e uma demonstração de moderação política – afastando a ideia dos "dois extremos".

    Para Alckmin é uma oportunidade de retomar papel importante na política nacional após a dolorida derrota de 2018, quando ficou apenas no quarto lugar e obteve menos de 5% dos votos – o pior desempenho de um candidato tucano na história.

     Essa movimentação, contudo, é apenas a face mais vistosa de uma agitada movimentação partidária, inclusive rumo à constituição de Federações de Partidos.

    Para analisar todo esse cenário, o #ForadaPolíticaNãoháSalvação recebe dois cientistas políticos de longa trajetória de pesquisa acerca de partidos e eleições. São eles:


    Maria do Socorro Braga, professora do Departamento de Ciência Política e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Twitter: @msbraga1
    Carlos Ranulfo Melo, professor titular do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pesquisador do Centro de Estudos Legislativos dessa mesma universidade. http://somos.ufmg.br/professor/carlos-ranulfo-felix-de-melo 



    As músicas deste episódio são "Wide Awake" do 126ers e "Dulcinea" de Steve Adams.

     

    Não deixe de ler o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação na CartaCapital.



    #Eleições2022 #CoalizõesEleitorais #Lula #Alckmin #PT #PSDB #PartidosPolíticos #FederaçõesPartidárias 




    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/fpns/message

    • 1 hr 18 min
    A disputa na direita, com Lúcio Rennó | #110

    A disputa na direita, com Lúcio Rennó | #110

    No intervalo de duas semanas, Sérgio Moro foi lançado pré-candidato à presidência pelo Podemos, o PSDB realizou suas prévias, definindo João Dória como seu postulante, e Jair Bolsonaro se filiou ao PL de Valdemar Costa Neto – além da bem menos ruidosa filiação de Rodrigo Pacheco ao PSD.

    Desse modo, a direita política sacramentava quatro novos concorrentes à chefia de governo em 2022. Não são candidatos demais?

    A candidatura de Rodrigo Pacheco não parece ser para valer, ao menos quanto às suas chances reais de embolar a disputa. Assim, as atenções se voltam para os outros postulantes, com destaque para a polarização entre Sérgio Moro e Jair Bolsonaro, ex-aliados.

    O presidente extremista e o ex-juiz justiceiro disputam entre si não apenas a liderança no campo direitista, mas também o protagonismo da condição de principal postulante anti-Lula – que por ora lidera todas as pesquisas de intenção de voto. João Dória, bem mais atrás nas pesquisas, corre por fora.

    Como compreender a natureza dessa disputa e as bases de apoio dos três concorrentes direitistas?

    Para discutir esse tema, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação convidou Lúcio Rennó, cientista politico e professor da Universidade de Brasília, onde atualmente ocupa o posto de pró-reitor de pós-graduação.

    Rennó é um estudioso do sistema partidário e da competição eleitoral no Brasil, sendo que há vários anos tem se dedicado a estudar a força política da direita nesse âmbito.

    Twitter: @LucioRenno



    As músicas deste episódio são "The Colonel", de Zachariah Hickman, e "Ratatouille's Kitchen", de Carmén María & Edu Espinal.



    Leia o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação no site da CartaCapital.



    #Eleições2022 #Direita #JairBolsonaro #SergioMoro #JoãoDória #PolíticaBrasileira #ConjunturaPolítica #PartidosPolíticos #PL #Podemos #PSDB




    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/fpns/message

    • 59 min
    O que será do PSDB? Com Soraia Marcelino Vieira | #109

    O que será do PSDB? Com Soraia Marcelino Vieira | #109

    Em meio às suas prévias para definir o pré-candidato presidencial do partido, o PSDB vive uma grave crise.

    Em vez de unificar a agremiação, a disputa interna produz seu esfacelamento. Duros ataques pessoais, acusações de fraude e, como se não bastasse, dificuldades técnicas que impediram que as prévias ocorressem na data prevista, produzindo um vexame.

    O PSDB, que já foi um dos dois principais partidos do país, seja no governo, seja liderando a oposição, parece ingressar em seu ocaso.

    Diante da tentativa do governador de São Paulo, João Dória, de se apropriar da agremiação, as prévias foram organizadas como uma reação daqueles que não desejam se vergar a seu domínio. Contudo, isso funcionará? Ou simplesmente produzirá um insuperável cisma interno, que pode levar à defecção de alas do partido, ou à cristianização de seu candidato presidencial?

    E o PSDB de hoje, em que medida se afastou do partido original, fundado ainda durante a Constituinte, por lideranças que tiveram papel de protagonistas na luta contra a ditadura militar?

    Para compreender esses temas, a convidada deste #ForadaPolíticaNãoháSalvação é a cientista política Soraia Marcelino Vieira, professora da Universidade Federal Fluminense e autora o livro O Partido da Social Democracia Brasileira: trajetória e ideologia (1987-2010), resultado de sua tese de doutoramento.



    As músicas deste episódio são "Birds" do Silent Partner e "Dodo Bird" de Quincas Moreira.



    Não deixe de ler o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação no site da CartaCapital.



    #PartidosPolíticos #PSDB #ConjunturaPolítica #PolíticaBrasileira #Eleições2022




    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/fpns/message

    • 57 min
    O orçamento secreto e outros segredos, com Élida Graziane Pinto | #108

    O orçamento secreto e outros segredos, com Élida Graziane Pinto | #108

    Na montagem de sua base de sustentação no Congresso, o governo Bolsonaro inovou retrocedendo no tempo.

    Passou por cima de mudanças constitucionais recentes, que tornam impositivas e igualitárias as emendas orçamentárias dos congressistas, hipertrofiando as emendas de relator – originalmente pensadas para fazer pequenas correções na lei – e as tornando um instrumento de cooptação de legisladores selecionados.

    Pior do que isso, esses gastos são opacos e impedem que os órgãos de controle e a sociedade entendam como são feitos os gastos públicos. É mais um tijolinho de opacidade acrescido ao grande muro intransparente construído pelo governo Bolsonaro e seus aliados no Congresso.

    Como era de se esperar, essa questão foi levada à justiça, e a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, determinou a interrupção dos gastos com as emendas de relator e a publicização daqueles que já foram feitos. O plenário do tribunal lhe deu razão.

    Contudo, os segredos da política orçamentária brasileira não são só esses. Há muito mais coisa pouco conhecida do público que passa ao largo da atenção da imprensa. Eles envolvem, inclusive, as emendas constitucionais que, nos últimos anos, criaram o chamado "orçamento impositivo".

    Para compreender o que se passa, este #ForadaPolíticaNãoháSalvação convidou Élida Graziane Pinto, procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo e professora da Fundação Getulio Vargas de São Paulo. Ela nos ajuda a entender esses segredos.



    Twitter: @elida_graziane 



    As músicas deste episódio são "Lonely Troutman" de William Rosati, "O Tempo não Para" de Arnaldo Brandão & Cazuza, e "The Loner" do DJ Williams.



    Leia o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação no site da CartaCapital.



    #OrçamentoPúblico #EmendasOrçamentárias #OrçamentoSecreto #PolíticaOrçamentária #PresidencialismodeCoalizão #ProcessoLegislativo #GastoPúblico #GovernoBolsonaro




    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/fpns/message

    • 1 hr 9 min
    A Lava Jato vai às urnas, com Fábio de Sá e Silva | #107

    A Lava Jato vai às urnas, com Fábio de Sá e Silva | #107

    Sérgio Moro, depois de prender e tirar da disputa de 2018 o ex-presidente Lula, então favorito, abandonou a magistratura e ingressou no governo do principal beneficiário de suas decisões, Jair Bolsonaro.

    Sua passagem no governo foi atribulada quanto efêmera: já no início do segundo ano de mandato, rompeu com Bolsonaro e saiu fazendo sérias acusações de tentativa de interferência da Polícia Federal por parte do presidente da República.

    Saindo da magistratura para a política partidária, Moro tinha dois caminhos diante de si: trabalhar no setor privado, ou entrar de vez na política partidária, disputando eleições. Optou pela segunda alternativa.

    Em 10 de novembro de 2021, com pompa e circunstância, filiou-se ao Podemos, partido liderado pelo senador paranaense conservador, Álvaro Dias. E, nesse mesmo ato, lançou-se pré-candidato à Presidência, já aparecendo como terceiro colocado em algumas pesquisas.

    Tão logo foi anunciado o ingresso de Moro no Podemos, seu fiel escudeiro na Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol, anunciou que deixaria o Ministério Público para também se aventurar na política partidária – na mesma agremiação de seu antigo aliado e para concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados.

    Afinal, a Lava Jato apenas chancelou seu caráter político-partidário, com seus membros ingressando na disputa eleitoral, ou há aí algo de novo? 

    Quais as consequências desse ato, bem como da atuação pregressa dos membros da força tarefa, para a democracia brasileira?

    Para discutir esses temas o convidado deste #ForadaPolíticaNãoháSalvação é Fábio de Sá Silva, professor de Estudos Brasileiros na Universidade de Oklahoma e Cientista Social do Direito. Fábio vem há um bom tempo pesquisando a atuação da Lava Jato e analisa o significado do lavatismo para nossa política, bem como seu papel na emergência do bolsonarismo.



    As músicas deste episódio são "Lazy Boys Blues" e "Sunshine on Sand", ambas do Unicorn Heads.



    Não deixe de ler o blog do #ForadaPolíticaNãoháSalvação no site da CartaCapital.



    #LavaJato #PolitizaçãodaJustiça #MinistérioPúblico #Judiciário #Democracia #SistemadeJustiça #EstadodeDireito #SergioMoro #DeltanDallagnol #Podemos


    ---

    Send in a voice message: https://anchor.fm/fpns/message

    • 1 hr 19 min

Top Podcasts In News

Tortoise Media
The New York Times
NPR
The Daily Wire
MSNBC
Serial Productions

You Might Also Like

revista piauí
Folha de S.Paulo
Central 3 Podcasts
O Globo
Nexo Jornal
G1