131 episódios

A poesia é a distância mais curta entre duas pessoas, diz o poeta Lawrence Ferlinghetti, um dos autores mais importantes da geração beat. Procuramos, com este podcast, aproximar-nos das escolhas poéticas dos nossos convidados esperando, desta forma, ficar mais perto deles e conhecê-los melhor.

Acreditamos que “O Poema Ensina a Cair”, como diz Luiza Neto Jorge, verso que usamos para dar título a este podcast sobre os poemas da vida dos nossos convidados. Um projecto da autoria de Raquel Marinho.

O Poema Ensina a Cair Raquel Marinho

    • Arte
    • 4,6 • 41 classificações

A poesia é a distância mais curta entre duas pessoas, diz o poeta Lawrence Ferlinghetti, um dos autores mais importantes da geração beat. Procuramos, com este podcast, aproximar-nos das escolhas poéticas dos nossos convidados esperando, desta forma, ficar mais perto deles e conhecê-los melhor.

Acreditamos que “O Poema Ensina a Cair”, como diz Luiza Neto Jorge, verso que usamos para dar título a este podcast sobre os poemas da vida dos nossos convidados. Um projecto da autoria de Raquel Marinho.

    O Poema Ensina a Cair - Lídia Jorge

    O Poema Ensina a Cair - Lídia Jorge

    Lídia Jorge nasceu em Junho de 1946, em Boliqueime. Cresceu numa casa onde as pessoas gostavam de ler e de contar histórias em família: ambos os exemplos terão contribuído para se tornar escritora. 

    Licenciou-se em Filologia Românica, um curso superior apenas possível devido a uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Nas palavras de Lídia, esta oportunidade foi tão importante que construiu a sua vida.

    Estreou-se a publicar em 1980 com o romance “O Dia dos Prodígios”, já depois de regressar de África, onde passou alguns anos a leccionar. Precisou de muito tempo para assimilar esta experiência, de ver matar e morrer, da condição humana desprovida de valores fundamentais, da desinteligência.

    Desde esse primeiro livro, publicou muitos outros, de romance, conto e poesia, e foi amplamente premiada em Portugal e no estrangeiro.

    Acaba de lançar Misericórdia, um livro que responde “sim” a um pedido de sua mãe, que morreu em 2020 numa instituição de solidariedade social no Algarve, vítima de covid 19.

    • 1h 44 min
    O Poema Ensina a Cair - Tó Trips

    O Poema Ensina a Cair - Tó Trips

    Conhecemo-lo por Tó Trips, mas chama-se António Manuel Antunes. Nasceu em Lisboa, em 1966, e passou a infância entre o bairro de Benfica, em Lisboa, e a Covilhã, terra da mãe, local eleito para as férias grandes. O primeiro contacto com a guitarra foi lá, quando experimentou sacar as notas de Smoke on the Water, dos Deep Purple, de uma guitarra emprestada por um tio. Depois, pela adolescência, começou a frequentar o Rock Rendez-Vous e o Johnny Guitar. Disse numa entrevista que foi para a música para ver os outros tocar e, de facto, começa aí, nesse contacto a sua ligação às bandas. E dizemos bandas no plural porque foram várias. Os Dead Combo são o projecto mais conhecido e internacional, que criou ao lado de Pedro Gonçalves, mas também os Lulu Blind, e muitas outras.

    Antes de se dedicar exclusivamente à música, trabalhou em publicidade durante 10 anos. Foi nesse contexto que aprendeu, com um director criativo finlandês, uma das frases que gosta de guardar: “criativos não são as pessoas que têm as ideias, criativos são aqueles que as fazem.”

    E Tó Trips faz, mesmo que esse verbo “fazer” seja sinónimo de correr riscos. Um dia, trabalhava ainda em publicidade, leu uma entrevista do Paulo Pedro Gonçalves, dos Heróis do Mar, na qual ele dizia que as pessoas não se deviam arrepender e deviam sempre arriscar. Leu aquilo, despediu-se do emprego, largou os Lulu Blind, largou a namorada, e fez um reset para poder tornar-se freelancer e dedicar-se mais ao seu instrumento.

    • 1h 38 min
    O Poema Ensina a Cair - Pedro Cabrita Reis

    O Poema Ensina a Cair - Pedro Cabrita Reis

    Pedro Cabrita Reis nasceu em Lisboa, em 1956, cresceu em Lisboa, no bairro de Campo de Ourique, mas renasceu no Algarve, na serra que escolheu para as pausas da vida em Lisboa, e onde quer ficar quando morrer, debaixo de uma alfarrobeira e junto ao seu primeiro cão.

    Artista total, com reconhecimento nacional e internacional, vê-se como um construtor – disse numa conferência que a espinha dorsal ou o território do seu trabalho está preso ao acto da construção -, e, por isso, alguém que reivindica para si a designação de homo faber, que faz, faz, faz.

    E faz pintura, desenho, escultura, fotografia, instalações, num trabalho sobre a matéria que põe várias artes a dialogar em simultâneo, onde a base será sempre a curiosidade - nas suas palavras “provavelmente, a ferramenta mais poderosa do artista” -, e uma busca permanente pelo momento primordial, uma vez que acredita que “a criação de uma obra de arte é também uma necessidade intensa e profunda (…) de descobrir uma origem.”

    • 1h 45 min
    O Poema Ensina a Cair - Aldina Duarte

    O Poema Ensina a Cair - Aldina Duarte

    Aldina Duarte nasceu em Lisboa, em 1967. Quando era pequena, durante um período de tempo, quis ser escritora. Leitora precoce, começou por acreditar que o que lia nos livros era tudo verdade e existia, até descobrir que havia uma coisa chamada imaginação, e foi dessa revelação que nasceu a vontade de escrever. Cito-a numa entrevista já antiga: “Foi a única profissão que quis ter; se afinal se pode inventar o mundo e a vida como queremos…”.
    Foi residente durante 25 anos numa das mais reconhecidas casas de fado de Lisboa, o Sr. Vinho, sob direcção artística de Maria da Fé. Estreou-se a cantar para os outros no teatro da Comuna, em 1994, quando organizava as Noites do Fado com o também fadista e ex marido Camané, e uma letra de Manuela de Freitas chamada “Antes de Quê”, que nunca mais deixou de cantar.
    Tem com a música e a literatura uma relação de amor, e explica que ambas podiam salvá-la. Diz que a profissão de fadista a obriga a estar em contacto com os seus sentimentos diariamente, e que tudo o que acontece na sua vida interfere com os seus fados, assim como tudo o que acontece nos seus fados interfere com a sua vida. Neste sentido “ser fadista é uma arte que se confunde com a vida (…) vivemos entre o abismo e o céu”.

    • 1h 56 min
    O Poema Ensina a Cair - Vasco Gato

    O Poema Ensina a Cair - Vasco Gato

    Vasco Gato nasceu em 1978 e lançou o primeiro livro de poesia no ano 2000, na Assírio & Alvim. Publicou, desde então, mais de 20 títulos, a maioria de poesia, mas também um romance, um texto para teatro, um poema integrado num objecto fílmico e um texto para um espectáculo multidisciplinar. Quase tão precoce como a estreia na poesia, é a actividade de tradução, do inglês, mas também do espanhol e italiano. Desde 2002 e até agora, traduziu mais de 35 títulos, onde encontramos, por exemplo, Javier Marias, Edgar Allan Poe, Virginia Woolf, Charles Bukowski, Juan Gabriel Vásquez, Manuel Vilas ou Nick Cave.
    Bom aluno desde sempre, em parte devido à particular atenção nas aulas pelo facto de ser introvertido, estudou um ano de Economia e depois mudou para Filosofia. Desistiu de Economia porque o curso “não tinha nada de expressivo, de pessoal” – são palavras suas – e acabou por deixar cair também o curso de Filosofia porque havia uma orientação para formar professores, e Vasco Gato não queria leccionar.
    Nos primeiros anos de vida, ter-lhe-á passado pela cabeça ser jogador de futebol, mas a verdade é que nunca teve uma ideia muito clara sobre o que queria ser quando crescesse, e também nunca partilhou da ideia de que a vida tinha de ser planeada, sobretudo com vista a delinear uma carreira.

    • 1h 41 min
    O Poema Ensina a Cair - Ricardo Ribeiro

    O Poema Ensina a Cair - Ricardo Ribeiro

    Ricardo Ribeiro nasceu na maternidade Alfredo da Costa em Lisboa, em Agosto de 1981, mas considera que realmente nasceu no bairro onde disse a primeira palavra, o bairro da Ajuda. Era nesse bairro que procurava as tabernas para escutar o que os velhos diziam, e foi também lá que se estreou a cantar ao vivo, no Grupo Desportivo "A Académica da Ajuda", quando tinha apenas 12 anos. Das colectividades para as casas de fado, das casas de fado para os discos e para um reconhecimento que assenta no fado, mas onde também cabem outros ambientes musicais. Em 2019 lançou o álbum Respeitosa Mente, em colaboração com João Paulo Esteves da Silva e Jarrod Cagwin, um disco de “canções e poesia” que dá voz às palavras de poetas e que apareceu, como explicou numa entrevista devido a “uma necessidade [que vinha] de uma determinada vida interior poética, musical e artística.”
    É essa vida interior poética que vamos tentar hoje conhecer melhor, através dos poemas que nos traz e que, nalguns casos, já foram cantados por si. Mas antes de iniciarmos a conversa, podemos ainda dizer que Ricardo Ribeiro foi uma criança tímida, que os primeiros contactos com a música lhe chegaram pela voz da mãe que cantava em casa, e pelo gira-discos da tia, a pessoa que o inscreveu para cantar em público pela primeira vez numa colectividade da Ajuda de que já falámos e com quem ia para os fados quando vinha a casa nos fins de semana dos tempos do colégio interno, que tem várias alcunhas e uma delas é uma delas é o Ricarábe por causa do gosto pela cultura árabe, e que chegou a pensar seguir o caminho sacerdotal porque encontrava conforto na mensagem religiosa mas um padre muito importante na sua formação ter-lhe-á dito “A tua missão também é do divino, mas não é aqui, é na música”.

    • 1h 36 min

Críticas de clientes

4,6 de 5
41 classificações

41 classificações

mulher 50 ,

Redescoberta

Ao ouvir o Seu podcast, redescobri a poesia, andava cá dentro com uma vontade imensa de voltar a ela.
Muito obrigado e aguardo novos episódios

ManuelRodrigues56 ,

Mais diversidade

A ideia do projeto é nobre, a difusão da poesia. Tanto pela leitura como pelas entrevistas. A qualidade do som é muito boa. Alguns poemas partilhados no podcast são interessantes, o mesmo não sinto nas redes sociais. A sugestão que fica é de maior diversidade na seleção. Poemas de autores não só consagrados ou mainstream, mas estilos de escrita e autores mais fora da caixa. É intereligente chegar a mais pessoas com textos mais conhecidos ou de forma linguística menos apurada, mas também pode ser falacioso, pelo facilitismo. Para quem gosta ou descobre a poesia, há um universo muito maior de leituras além das habituais. livros de novos autores, novas nacionalidades, novas e alternativas edições, estilos. Em suma, os parabéns sinceros ao projeto. Abre portas a maiores pesquisas e aprofundamentos, sim. É uma porta, apenas podia ser uma porta mais robusta e colorida, dado o público tão numeroso.

AlmaDoLobo ,

Obrigado

Muito bom programa. Não percebo é porque é que o Daniel Oliveira sempre aparece de pára-quedas, às vezes em momentos um pouco desajustados…

Top de podcasts em Arte

Expresso
Expresso
Mariana Alvim
Observador
Antena3 - RTP
Teatro Nacional D. Maria II

Talvez também goste

INÊS MENESES
Expresso
Expresso
Daniel Oliveira
José Maria Pimentel
Francisco Pinto Balsemão