51 episódios

Este é o Como Começar, podcast de cultura do Nexo, um jornal digital para quem busca explicações precisas e interpretações equilibradas sobre os principais fatos do Brasil e do mundo. O programa se debruça, a cada episódio, sobre a obra de um autor ou movimento da literatura, da música ou do cinema

Como começar Nexo Jornal

    • Artes
    • 4,5 • 162 avaliações

Este é o Como Começar, podcast de cultura do Nexo, um jornal digital para quem busca explicações precisas e interpretações equilibradas sobre os principais fatos do Brasil e do mundo. O programa se debruça, a cada episódio, sobre a obra de um autor ou movimento da literatura, da música ou do cinema

    Como começar a ouvir Milton Nascimento

    Como começar a ouvir Milton Nascimento

    Junto com outros ícones da MPB, o cantor Milton Nascimento completa 80 anos em 2022. Num ano marcado por homenagens e celebrações, o músico também encerra sua rotina nos palcos.

    Em maio, ele anunciou a turnê “A Última Sessão de Música”, que percorre cidades do Brasil e do exterior até novembro de 2022. Ele garante que essa é uma despedida das rotinas de shows, mas jamais da música.

    “Bituca”, como é conhecido e gosta de ser chamado, lançou 42 discos ao longo da carreira. Foi indicado 9 vezes ao Grammy Awards, considerado o Oscar da música mundial, e premiado 5 vezes.

    A experimentação de sonoridades e sua voz única são marcas de Milton Nascimento, assim como as parcerias com amigos e outros artistas do Brasil e do mundo, de Wagner Tiso à Björk. Para dar um panorama sobre a carreira de Milton e sugerir caminhos para quem quer se aprofundar na sua obra, o Nexo conversou com dois acadêmicos que estudam o trabalho do cantor:

    • Sheyla Castro Diniz, pesquisadora, doutora em sociologia e autora do livro “De tudo que a gente sonhou: amigos e canções do Clube da Esquina”

    • Bruno Viveiros, historiador e autor do livro “Som Imaginário: A Reinvenção da Cidade nas Canções do Clube da Esquina”

    Músicas do programa:
    • Milton Nascimento – Paula e Bebeto
    • Milton Nascimento – Ponta de Areia
    • Milton Nascimento – Amor de Índio
    • Milton Nascimento – Travessia
    • Milton Nascimento – Lília
    • Milton Nascimento – Barulho de Trem
    • Milton Nascimento e Elis Regina – Canção do Sal
    • Björk – Travessia
    • Milton Nascimento/Xênia França/Liniker – Peixinhos do Mar
    • Milton Nascimento – Canção da América
    • Milton Nascimento e Lô Borges – Trem Azul
    • Milton Nascimento – Dos Cruces
    • Milton Nascimento – Coração de Estudante
    • Milton Nascimento – Morro Velho
    • Milton Nascimento – Menino
    • Milton Nascimento – Caçador de Mim
    • Milton Nascimento – Maria Maria

    • 26 min
    Como começar a ouvir Paul McCartney pós-Beatles

    Como começar a ouvir Paul McCartney pós-Beatles

    Prestes a completar 80 anos, o músico britânico Paul McCartney está mais uma vez em alta. Em 2021, duas séries sobre a obra de McCartney foram lançadas nos serviços de streaming.

    Em “McCartney 3,2,1”, disponível no Brasil no Star+, ele repassa momentos importantes de sua carreira com o produtor Rick Rubin. Já a série “Get back”, lançada no Disney+ e dirigida por Peter Jackson, conta a história da composição do disco “Let it be”, dos Beatles, com imagens e áudios inéditos captados em 1969. O documentário mostra McCartney como um compositor nato e dedicado, mas ao mesmo tempo uma figura impositiva e controladora.

    Depois do fim do grupo na virada para a década de 1970, o músico produziu mais de 50 álbuns, entre trabalhos solo, composições com sua banda Wings, projetos experimentais de música eletrônica e obras de música clássica. Para este episódio do “Como começar”, o Nexo conversou com três fãs de Paul McCartney:

    • André Góis, locutor da Rádio Eldorado e apresentador do programa A Hora da Vitrola
    • Lucinha Turnbull, guitarrista paulistana
    • Tim Bernardes, músico paulistano e guitarrista e vocalista da banda O Terno

    Músicas do programa:
    • The Beatles – I saw her standing there
    • The Beatles – Get back
    • Paul McCartney – Maybe I’m amazed
    • Paul McCartney – Junk
    • Paul McCartney – Too many people
    • Paul McCartney – Heart of the country
    • John Lennon – How do you sleep
    • Wings – Some people never know
    • Wings – Big barn bed
    • Wings – Live and let die
    • Wings – My love
    • Wings - Loup (1st Indian on the moon)
    • Wings – Band on the run
    • Wings – Bluebird
    • Wings – Venus and mars / Rock show
    • Wings – Silly love songs
    • Wings – London town
    • Wings – Rockestra theme
    • Paul McCartney – Coming up
    • Paul McCartney – Check my machine
    • Paul McCartney – Here today
    • Paul McCartney & Stevie Wonder – Ebony and ivory
    • Michael Jackson – Thriller
    • Paul McCartney & Michel Jackson – Say say say
    • Paul McCartney & Carl Davis – Movement VI - Work violin solo
    • The Fireman – Transpiritual stomp
    • The Beatles – Free as a bird
    • Paul McCartney – Calico skies
    • Paul McCartney & Eric Clapton – Something
    • Paul McCartney – Friends to go
    • Paul McCartney – Queenie eye
    • Paul McCartney – Find my way
    • Paul McCartney – Another day
    • Paul McCartney – The lovely Linda

    • 40 min
    Como começar a ler o ano de 2021

    Como começar a ler o ano de 2021

    Neste episódio de fim de ano do “Como começar”, o podcast de cultura do Nexo, a redação do jornal recomenda 17 livros que ajudaram a pensar, repensar, digerir e atravessar o ano de 2021. São quadrinhos, contos, diários, romances e obras de não ficção que abordam a quarentena, família, racismo, identidade e os impasses do mundo contemporâneo.

    Livros recomendados:
    • “Confinada”, de Leandro Assis e Triscila Oliveira (Nós, 2021)
    • “A espera”, de Keum Suk Gendry-Kim (Pipoca & Nanquim, 2021)
    • “Sovietistão”, de Erika Fatland ( yiné, 2021)
    • “Arquitetura popular brasileira”, de Günter Weimer (WMF Martins Fontes, 2005)
    • “Redemoinho em dia quente”, de Jarrid Arraes (Alfaguara, 2019)
    • “Torto arado”, de Itamar Vieira Júnior (Todavia, 2019)
    • “Enciclopédia negra: biografias afro-brasileiras”, de Flávio dos Santos Gomes, Jaime Lauriano e Lilia Moritz Schwarcz (Companhia das Letras, 2021)
    • “Casa de alvenaria”, de Carolina Maria de Jesus (Companhia das Letras, 2021)
    • “Marrom e amarelo”, de Paulo Scott (Alfaguara, 2019)
    • “A metade perdida”, de Brit Benett (Intrínseca, 2021)
    • “Destransição, baby”, de Torrey Peters (Tordesilhas, 2021)
    • “É sempre a hora da nossa morte, amém”, de Mariana Salomão Carrara (Nós, 2021)
    • “Se Deus me chamar, não vou”, de Mariana Salomão Carrara (Nós, 2019)
    • “Portrait of Hemingway”, de Lilian Ross (Modern Library, 1999)
    • “Belo mundo, onde você está?”, de Sally Rooney (Companhia das Letras, 2021)
    • “Não aguento mais não aguentar mais: como os Millennials se tornaram a geração do burnout”, de Anne Hellen Petersen (HarperCollins, 2021)
    • “Nós somos o clima”, de Jonathan Safran Foer (Rocco, 2020)

    Músicas do programa:
    • “Blind Man Blind Man”, de Dave Pike
    • “Nocturne”, de Podington Bear
    • “Three Colors”, de Podington Bear
    • “Holimni So'rmaysan”, de Turgun Alimatov
    • “A cidade”, de Chico Science & Nação Zumbi
    • “Gears Spinning”, de Podington Bear
    • “Bravum de Elegbara”, de Fabiana Cozza
    • “O mestre-sala dos mares”, de João Bosco e Aldir Blanc
    • “O pobre e o rico”, de Carolina Maria de Jesus
    • “Hip Hop Instrumental 1”, de Ketsa
    • “The Drayton”, de Devonté Hynes
    • “Seashore”, de Podington Bear
    • “Ice Climb”, de Podington Bear
    • “Pineapple”, de Podington Bear
    • “It’s Bad For Me”, de Cole Porter, interpretado por Gertrude Lawrence
    • “Intern”, de Angel Olsen
    • “Ice Flow”, de Bio Unit
    • “Mercy Mercy Me (The Ecology)”, de Marvin Gaye

    Veja também:
    • "Memória afro-brasileira", especial no Nexo sobre o livro "Enciclopédia negra: biografias afro-brasileiras": https://bit.ly/3Enxf7M

    • 33 min
    Como começar a ver cinema iraniano

    Como começar a ver cinema iraniano

    A produção cinematográfica do Irã é uma das mais aclamadas em festivais de cinema nas últimas décadas graças a nomes como Abbas Kiarostami, Jafar Panahi e Asghar Farhadi. São filmes com uma alta carga poética, simbólica e, por vezes, subversiva. Mas, para produzirem, os cineastas do país precisam enfrentar uma rígida repressão e se adequar às normas estabelecidas pelo governo teocrático.

    Este episódio de "Como começar" apresenta a história do cinema iraniano, suas principais características estéticas e narrativas, e as tensões entre cineastas e a censura. Para isso, o podcast de cultura do Nexo ouviu:

    • Jansen Hinkel, escritor, doutorando em comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi e pesquisador do cinema do Oriente Médio;

    • Kelen Pessuto, doutora em antropologia pela USP e pesquisadora dos cinemas iraniano e curdo.

    Filmes citados:
    • “A separação” (“Jodaeiye Nader az Simin”), de Asghar Farhadi (2011)
    • “O apartamento” (“Forushande”), de Asghar Farhadi (2016)
    • “For Liberty” (“Baraye azadi”), de Hossein Torabi (1979)
    • “Kineh”, de Abbas Kassai (1975)
    • “Filmfarsi”, de Ehsan Khoshbakht (2019)
    • “A vaca” (“Gaav”), de Dariush Mehrjui (1969)
    • “Gheisar”, de Masud Kimiai (1969)
    • “Isto não é um filme” (“In film nist”), de Jafar Panahi (2011)
    • “Não há mal algum” (“Sheytân vojūd nadârad”), de Mohammad Rasoulof (2020)
    • “A maçã” (“Sib”), de Samira Makhmalbaf (1998)
    • “Filhos do paraíso” (“Bæccähâ-ye âsmân”), de Majid Majidi (1997)
    • “O jarro” (“Khomreh”), de Ebrahim Foruzesh (1992)
    • “Onde fica a casa do meu amigo?” (“Khane-ye dust kojast”), de Abbas Kiarostami (1987)
    • “Às cinco da tarde” (“Panj é asr”), de Samira Makhmalbaf (2003)
    • “Fora do jogo” (“Afsaid”), de Jafar Panahi (2006)
    • "Desaparecimento" (“Napadid shodan”), de Ali Asgari (2013)
    • “Ava”, de Sadaf Foroughi (2017)
    • “Persépolis” (“Persepolis”), de Vincent Paronnaud & Marjane Satrapi (2007)
    • “Dez” (“Dah”), de Abbas Kiarostami (2002)
    • “Uma lua para meu pai” (“A Moon for My Father”), de Mania Akbari & Douglas White (2019)
    • “Garota sombria caminha pela noite” (“A Girl Walks Home Alone at Night”), de Ana Lily Amirpour (2014)
    • “Gabbeh”, de Mohsen Makhmalbaf (1996)
    • “O silêncio” (“Sokout”), de Mohsen Makhmalbaf (1998)
    • “Close-up” (Nema-ye nazdik), de Abbas Kiarostami (1990)

    Músicas do programa:
    • “Reza Motori, Dah”, de Esfandiar Monfaredzadeh
    • “Tehran Waltz, #1”, de Mehrdad Mehdi
    • Música de abertura de “A vaca”, composta por Hormouz Farhat
    • “End”, de Ahmad Pejman
    • Tema de “Close-up”, composto por Kambiz Roshanravan
    • Trilha de “Onde fica a casa do meu amigo?”, composta por Amine Allah Hessine
    • “Gole Zardom”, de Sima Bina
    • “Gonjeshkak Ashi Mashi”, de Esfandiar Monfaredzadeh
    • “Gole Yakh”, de Kourosh Yaghmaei

    Materiais de referência:
    • As origens do poder do Irã. E das tensões que cercam o país: https://nxo.do/2GayeuB
    • Por que Abbas Kiarostami se tornou um dos grandes nomes do cinema contemporâneo: http://nxo.do/29oerKx
    • Como o Irã censura e persegue cineastas premiados: https://nxo.do/3oP9Wzg

    Leia mais:
    • How Iran's 'filmfarsi' remains the biggest secret in cinema history: https://nxo.do/3oPau8i
    • Close-Up on Dariush Mehrjui’s "The Cow": https://nxo.do/3al2WC1
    • Dissertação de mestrado de Jansen Hinkel – “Os espaços de confinamento no cinema persa”:
    https://nxo.do/3BqEbQH
    • Dissertação de mestrado da Kelen Pessuto – “O ‘espelho mágico’ do cinema iraniano:...

    • 30 min
    Como começar a ler Neil Gaiman

    Como começar a ler Neil Gaiman

    O mundo dos sonhos, as batalhas dos deuses ou a vida em um cemitério. Essas são algumas das premissas das histórias escritas pelo autor inglês Neil Gaiman.

    Em quadrinhos, nos livros e nas séries, Gaiman mistura mitologias e folclores do mundo todo para contar histórias sobre as relações familiares e seus impactos. Para apresentar a obra do autor, este episódio do “Como Começar”, o podcast de cultura do Nexo, ouviu:

    • Mário Feijó, doutor em letras pela PUC do Rio e professor de duas disciplinas complementares sobre Gaiman na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

    • Cláudia Fusco, mestre em literatura de língua inglesa com ênfase em fantasia e ficção científica pela Universidade de Liverpool, no Reino Unido.

    Músicas do programa:
    • Mr. Sandman – The Chordettes
    • Hungry Like the Wolf – Duran Duran
    • Flying – James Newton Howard
    • Always Look on the Bright Side of Life – Monty Python
    • Superman Theme – John Williams
    • Good Omens Opening Title – David Arnold
    • Bohemian Rhapsody – Queen

    • 18 min
    Como começar a ouvir Joni Mitchell

    Como começar a ouvir Joni Mitchell

    Em 22 de junho de 1971, Joni Mitchell lançou o álbum mais aclamado de sua carreira. “Blue” foi escrito entre dois términos de namoro dolorosos e uma viagem de desapego à Europa, e isso ficou registrado na música. “Eu sentia como se não guardasse nenhum segredo do resto do mundo”, disse a cantora-compositora à revista Rolling Stone, que considera o disco como o terceiro melhor de todos os tempos. Ao lado de figuras como Bob Dylan e Joan Baez, Mitchell foi influente no revival do folk norte-americano que marcou os anos 1960. Sua trajetória começa na música acústica e depois passa pelo rock e o jazz, com obras clássicas em cada estilo.

    Ela é conhecida pelo uso de afinações alternativas no violão e por suas letras de teor narrativo, por vezes confessional. A franqueza de suas composições inspirou gerações de outros artistas, de Prince e Madonna a Taylor Swift e Lana del Rey. Para apresentar os destaques e o discutir o legado de sua discografia, o Nexo conversou com dois grandes fãs de Joni Mitchell: Sarah Oliveira, radialista e apresentadora do programa “Minha canção”, na estação Eldorado, em São Paulo, e Chico Bernardes, cantor-compositor paulistano.

    Músicas do programa:
    • Joni Mitchell — Woodstock (ao vivo no Festival da Ilha de Wight)
    • Joni Mitchell — My Old Man (ao vivo no Festival da Ilha de Wight)
    • Joni Mitchell — California
    • Joni Mitchell — The House of the Rising Sun
    • Joni Mitchell — Cactus Tree
    • Joni Mitchell — Both Sides Now
    • Joni Mitchell — For Free
    • Joni Mitchell — Big Yellow Taxi
    • Joni Mitchell — A Case of You
    • Joni Mitchell — River
    • Joni Mitchell — Carey
    • Joni Mitchell — You Turn Me On, I’m a Radio
    • Joni Mitchell — Raised on Robbery
    • Joni Mitchell — Twisted
    • Joni Mitchell — The Jungle Line
    • Joni Mitchell — Shadows and Light
    • Joni Mitchell — Coyote
    • Joni Mitchell — Hejira
    • Joni Mitchell — Paprika Plains
    • Joni Mitchell — Shine
    • Joni Mitchell — Both Sides Now (2000)

    • 46 min

Opiniões de clientes

4,5 de 5
162 avaliações

162 avaliações

Sami Sena Nasser ,

Acho o “como começar” fantástico

Comecei a ouvir a um tempo e tinham vários episódios, mas notei que agora tem apenas 6. Oque houve??

bazlu1 ,

O melhor jornal deste país

Concerteza o Nexo é um dos melhores projetos deste país

Clauc ,

Música de fundo atrapalha

Bom conteúdo mas não é possível suportar ouvir podcast longo com música de fundo.

Top podcasts em Artes

Gustavo Carriconde
Folha de S.Paulo
Top Áudio Livros
Gilson Joy
Iandê Albuquerque
Roman Mars

Você Também Pode Gostar de

Nexo Jornal
Nexo Jornal
Folha de S.Paulo
revista piauí
Rádio Novelo
Folha de S.Paulo

Mais de Nexo Jornal