113 episódios

Junior Faria, Carolina Bridi e Raphael Tognini vivem (d)o surf todo dia o dia inteiro. Como se ainda não fosse suficiente, sempre que se encontram têm o incontrolável hábito de desenrolar opiniões e desenvolver teorias críticas sobre o ambiente aquático e terrestre ao seu redor.

Assim surgiu o SURF DE MESA, podcast realista sobre o backstage do universo surfístico. Debates, conversas e entrevistas sobre surf com aquela pitada de raciocínio e sinceridade que você só encontra na FLAMBOIAR. Seja um surfista inteligente no lineup... Vem com a gente!
Siga a FLAMBOIAR | facebook.com/flamboiar | instagram.com/flamboiar | youtube.com/flamboiar | twitter.com/flamboiar | www.flamboiar.com.br

Surf de Mesa Flamboiar

    • Esportes
    • 4.6 • 28 avaliações

Junior Faria, Carolina Bridi e Raphael Tognini vivem (d)o surf todo dia o dia inteiro. Como se ainda não fosse suficiente, sempre que se encontram têm o incontrolável hábito de desenrolar opiniões e desenvolver teorias críticas sobre o ambiente aquático e terrestre ao seu redor.

Assim surgiu o SURF DE MESA, podcast realista sobre o backstage do universo surfístico. Debates, conversas e entrevistas sobre surf com aquela pitada de raciocínio e sinceridade que você só encontra na FLAMBOIAR. Seja um surfista inteligente no lineup... Vem com a gente!
Siga a FLAMBOIAR | facebook.com/flamboiar | instagram.com/flamboiar | youtube.com/flamboiar | twitter.com/flamboiar | www.flamboiar.com.br

    113 - A positividade tóxica no surf

    113 - A positividade tóxica no surf

    É muito fácil se divertir no surf desde que o objetivo seja única e exclusivamente esse mesmo. Acontece que ter isso como objetivo isolado é um desafio sobre-humano diante do condicionamento a metas, objetivos e propósitos característicos da nossa vida em sociedade.

    O Surf de Mesa prega o surf como diversão. Seus integrantes dedicam-se piamente a isso dentro e fora do mar, mas falham em grande parte das vezes. Por quê? Porque é fácil falar "vou entrar no mar para me divertir", mas é difícil manter a diversão quando, por variáveis externas ou internas, a queda não rende pelo menos uma boa ondinha ou sequer se vence a arrebentação.

    A positividade tóxica, efeito colateral das redes sociais, é um termo que ganhou alcance durante a pandemia e foi sendo mais recorrente quanto mais inconveniente foi se tornando o simulacro de vida perfeita nas telas. Mas é fato que o surf, culturalmente construído sob o ideário good vibes, sempre foi um prato cheio para isso muito antes das redes.

    No mundo real, quando os obstáculos vencem, a jornada do herói se interrompe e o sujeito que lute com o sentimento de derrota. No surf, é aí que a narrativa de mundo perfeito bate de frente com a pressão causada pela constante busca de prazer, performance, evolução e felicidade.

    Por isso, nesse episódio, Junior Faria, Carol Bridi e Rapha Tognini encararam a face altamente frustrante do surf e se perguntaram: estaria o Surf de Mesa contribuindo para a positividade tóxica? Ou incorremos demasiadamente em uma espécie de pessimismo terapêutico? O equilíbrio da balança, todos sabemos, é virtude humana difícil, ainda mais quando se trata de um objeto de debate que transita tão facilmente entre o prazer e a frustração, como é o surf.

    Qual tua opinião? Dá o play aí e conta pra gente!

    • 42 min
    112 - Espetáculo do surf | Do que é feito o negócio da WSL e como ele nos afeta?

    112 - Espetáculo do surf | Do que é feito o negócio da WSL e como ele nos afeta?

    Nas semanas passadas, Junior Faria, Carol Bridi, Rapha Tognini e meio mundo dedicaram-se a debater se Ítalo completou ou não o aéreo em Narrabeen. Mas é possível que muita gente tenha pensado: e eu com isso? Por isso, essa semana voltamos a questão à nós mesmos. Qual o efeito do fenômeno da competição esportiva sobre nossas vidas, e o que exatamente faz com que dediquemos atenção a questões tão alheias à nossa própria sobrevivência diária na prática?

    Heróis e anti-heróis confundem-se em suas posições numa construção narrativa que provoca instintos diante de um show estimulante aos nossos sentidos primitivos de conquista e sobrevivência. Nada de novo no horizonte. A disputa é feita disso. Envolvidos nos fatos da narrativa, nos vemos absortos em questões meramente virtuais quando comparadas às nossas realidades individuais. Nenhum erro também em buscar amenidades disfarçadas em uma realidade paralela para aliviar o foco das nossas questões pessoais mais profundas. Afinal, o esporte é um fenômeno social inevitavelmente presente em nossas vidas e a competição é sua forma máxima de expressão.

    Mas vale tomar consciência dos mecanismos que promovem tamanho envolvimento com fatos do espetáculo do surf que, no frigir dos ovos, nada mudam de forma prática na vida dos seus fãs.

    Então, dá o play neste episódio do Surf de Mesa e vem saber do que é feito o negócio da WSL e como ele nos afeta.


    Foto | John John Florence - WSL_Matt Dunbar @wsl @mattydunbar

    • 48 min
    111- O voo de Ítalo | Voltou ou não voltou?

    111- O voo de Ítalo | Voltou ou não voltou?

    De tempos em tempos despontam novas situações que levantam um tema inerente ao surf de competição: a subjetividade envolvida nos critérios de julgamento. O assunto independente do contexto histórico. Foi assim desde 1976, com a IPS (International Professional Surfer). Continuou assim nos tempos de ASP (Association of Surfing Professionals) a partir da década de 80. E não seria diferente agora, com a WSL (World Surf League) e sua saga pela construção de enredos que nutrem os sentimentos ideais (bons e ruins na medida certa) para o bom entretenimento, garantindo a freguesia sempre atenta.

    Desta vez, numa sequência de etapas que não deixa dúvidas sobre o ritmo com que brasileiros voltaram às competições após adiamentos e cancelamentos, a interpretação sobre a volta ou não do aéreo de Ítalo Ferreira nas oitavas de final da etapa de Narrabeen deixou geral incrédula. Junior Faria, Carol Bridi e Rapha Tognini aproveitaram o gancho para falar sobre a eterna questão da subjetividade e o quanto ela pode ser afetada por coisas que vão além de qualquer compreensão racional.

    Nesse episódio do Surf de Mesa, a conversa correu pelas impressões do momento que vive o tour e algumas de suas principais estrelas. Dá o play e vem viajar com a gente nessas ondas sonoras.

    • 43 min
    110 - Como você se sente com a volta do circuito mundial de surf?

    110 - Como você se sente com a volta do circuito mundial de surf?

    Sentiu falta do Surf de Mesa na semana passada? Nós também. No episódio de hoje, a gente conta tudo que rolou nesse intervalo com os quase inabaláveis Junior Faria, Carol Bridi e Rapha Tognini.

    E para mostrar que, mais de uma centena de episódios depois, o Surf de Mesa ainda é capaz de surpreender, dessa vez trazemos uma abordagem carinhosa sobre um tema geralmente deixado em segundo plano: as etapas da WSL. Talvez pela centelha de esperança proporcionada, o retorno do circuito mundial com a realização de etapas sem sobressaltos ou imprevistos (pelo menos até agora) viraram o assunto central da conversa. Estranho? Não tanto. Pode ser só impressão ou carência de normalidade, mas precisamos admitir que a primeira etapa da perna australiana aguçou sentidos até então menosprezados em episódios anteriores - pelo menos por parte do elenco.

    Dos efeitos pessoais causado pela etapa e impressões sobre o humor dos competidores a comentários e dicas no Fantasy: Se não surpreender você, podemos garantir que este é um episódio que surpreendeu aos próprios apresentadores.

    Então, respire aliviado! Surf de Mesa chegou e é hora de lavar a louça acumulada da semana passada. Plugue o fone no ouvido e dê o play nesse episódio que comenta os sentimentos mais profundos causados pela retomada do circuito mundial de surf.

    • 34 min
    109 - Surf é profissão? O direito trabalhista do surfista

    109 - Surf é profissão? O direito trabalhista do surfista

    Depois que o skate entrou na Classificação Brasileira Ocupacional (CBO), Junior Faria, Carol Bridi e Rapha Tognini entenderam que era hora de colocar na mesa um tema que há muito vinha sendo adiado: o Direito Desportivo e o Direito Trabalhista no surf. Para balizar a conversa com todo o conhecimento e experiência, convidaram Tarcísio Bresciani, advogado trabalhista e desportivo, que também já foi sócio em uma agências de atletas de surf e conhece de perto a realidade das negociações e dos contratos entre marcas e surfistas.

    Se hoje um skatista profissional tem sua atividade reconhecida como profissão e encontra respaldo para ter sua Carteira de Trabalho assinada na categoria Atleta de Skate, o que permite contribuição ao INSS e aposentadoria como skatista, temos um avanço digno de comemoração. A conquista da CBSk (Confederação Brasileira de Skate) junto ao Ministério do Trabalho e Emprego é histórica. Por isso, buscamos entender como isso deve refletir na prática diante de um mercado tão mal acostumado com as relações de contratação historicamente precarizadas das categorias esportivas, especialmente nas modalidades individuais.

    O que muda para o skate e como isso pode refletir no surf? Qual caminho se tem pela frente para alcançar transformações na prática?

    Dá o play aí em mais um episódio sincerão do Surf de Mesa.

    • 1h 1m
    108 - Lockdown | Surfar é o melhor que podemos fazer agora?

    108 - Lockdown | Surfar é o melhor que podemos fazer agora?

    O episódio dessa semana já estava gravado quando fomos surpreendidos com a notícia de um lockdown. O que significa voltar a um sentimento que conhecemos pela primeira vez exatamente um ano atrás - o de ficar em casa e restringir as saídas ao estritamente essencial. Caímos na real e, "perplectos", lidamos com a situação da seguinte forma: LIGANDO OS MICROFONES.

    Percebendo a reação de parte dos surfistas à volta das restrições que os distanciam das ondas, trouxemos o tema para debate. Será mesmo que o maior problema que temos no momento é ficar sem surfar por um período limitado?

    Ninguém questiona que é possível surfar sozinho, manter o distanciamento no outside e que o surf pode ser remédio para a saúde mental. Afinal, que mal teria um só surfista sair na rua e andar até o mar, né?

    Aos alecrins dourados, explicamos: você não é o único que deseja isso! E quando não há essa consciência de que de um em um se faz a massa, o que acontece é o que vemos hoje. Uma população desnorteada morrendo antes da sua hora.

    O episódio que vai ao ar hoje foi gravado de última hora um dia antes da data prevista para o início do lockdown na Baixada Santista. O episódio que já estava pronto - com convidado ilustre e tudo - será veiculado na quinta que vem.

    Adiamos o episódio que tínhamos preparado porque achamos importante nos posicionarmos em relação ao nosso papel como surfistas. Este episódio do Surf de Mesa pode até ser visto como chato (e para nós também foi). Mas está no ar hoje porque o entendemos como extremamente necessário.

    • 35 min

Opiniões de clientes

4.6 de 5
28 avaliações

28 avaliações

Prof.MarceloLopes ,

Muito bom

Os caras e a mina mandam bem demais. Conheci os podcasts durante essa pandemia e vou ouvir por muito tempo!

Rafa Godoy ,

Boa discussões e reflexões

Podcast de ótima qualidade sempre com boas discussões e reflexões!! Parabéns pelo conteúdo.

Ricardo Menezes Carvalho ,

Alto Nível

Discussão da boa sobre tudo que envolve o universo do surf. 3 personalidades diferentes que se equilibram na mesma prancha, tipo aqueles concursos Havaianos de acrobacias humanas em cima de uma tábua de surf, cujos temas debatidos começam no podcast e terminam em nossas mentes, provocando reflexões ou pura diversão.

Alto nível de conversa por quem entende do traçado.

Top podcasts em Esportes

Ouvintes também assinaram