100 episódios

No fim das tardes de quinta-feira, sempre às 16h, você vai escutar um programa com as principais histórias e notícias do mundo das artes. O Expresso Ilustrada, podcast de cultura da Folha, vai falar de filmes, discos, livros, séries de TV, peças de teatro e de moda. O programa está disponível em todas as plataformas

Expresso Ilustrada Folha de S.Paulo

    • Notícias
    • 4.6 • 80 avaliações

No fim das tardes de quinta-feira, sempre às 16h, você vai escutar um programa com as principais histórias e notícias do mundo das artes. O Expresso Ilustrada, podcast de cultura da Folha, vai falar de filmes, discos, livros, séries de TV, peças de teatro e de moda. O programa está disponível em todas as plataformas

    A moda e a ditadura na vida de Zuzu Angel

    A moda e a ditadura na vida de Zuzu Angel

    Zuleika Angel Jones, que ficou conhecida como Zuzu Angel, se alçou a maior estilista do país e brilhou no exterior ao vestir estrelas de Hollywood. O fato de ser mãe influenciou toda a sua obra e também seu destino --ela causou a ira da ditadura militar no Brasil a ponto de ser morta pelo regime.

    Isso porque o estudante de economia e militante Stuart Angel, seu filho primogênito, foi torturado e morto pela ditadura. Desde então, Zuzu passou a vida reivindicando o corpo do filho, e chegou a pedir isso numa carta endereçada ao presidente da época, o general Ernesto Geisel. 

    Se estivesse viva, a artista completaria cem anos. Em homenagem ao centenário, o Expresso Ilustrada conta como a Zuleika se tornou Zuzu e pôs o Brasil no mapa da moda internacional, debate como a maternidade influenciou sua produção e reconstitui como ela foi morta pela ditadura. 

    Para isso, participam do podcast Pedro Diniz, jornalista de moda que foi colunista da Folha entre 2014 e 2019 e teve acesso ao acervo do Instituto Zuzu Angel, e o estilista brasileiro Ronaldo Fraga, que teve sua obra influenciada.

    Com novos episódios todas as quintas, às 16h, o Expresso Ilustrada discute música, cinema, literatura, moda, teatro, artes plásticas e televisão. A edição desta semana é de Natália Silva, e o roteiro é de Isabella Menon e Carolina Moraes, que também apresentam o episódio.

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 24 min
    Drexciyans, a ficção afrofuturista que reinventou os rumos da escravidão

    Drexciyans, a ficção afrofuturista que reinventou os rumos da escravidão

    Não era preciso muito para que escravos africanos fossem arremessados ao mar e desaparecessem nas águas atravessadas pelos navios negreiros no Atlântico —e quase dois milhões dele foram jogados no oceano. Uma simples doença que tivessem já era motivo para serem jogados para fora da embarcação.

    Mas e se as mulheres grávidas parissem no mar, mesmo sem oxigênio? E se seus filhos formassem uma grande diáspora subaquática nas profundezas do oceano? Essa é a ficção afrofuturista dos drexciyans, uma civilização afroatlântica criada pela dupla Drexciya, dos músicos James Stinson e Gerald Donald, que agitaram a cena eletrônica de Detroit, nos Estados Unidos, entre as décadas de 1980 e 2000.

    Saídos das músicas da dupla, sobretudo no disco “The Quest”, de 1997, os primeiros contos sobre esse povo inspiraram outras obras musicais, visuais e literárias envolvendo o assunto, que continua ganhando novos enredos mesmo depois de quase duas décadas do término da dupla eletrônica.

    O Expresso Ilustrada desta semana discute os vários trabalhos que foram inspirados por essa história, como um recente memorial nos Estados Unidos, e como, além dos elementos ficcionais, a história se debruça em parte sobre a realidade do sistema escravocrata. Para isso, participam do episódio Marina Lourenço, repórter da Ilustrada, e Ynaê Lopes dos Santos, autora de "Histórias da África e do Brasil afrodescendente".

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 23 min
    O que a CPI da Covid e o BBB têm a ver um com o outro

    O que a CPI da Covid e o BBB têm a ver um com o outro

    "Pega a pipoca e vem acompanhar a CPI com a gente", é o que diz uma postagem do perfil do Twitter Camarote da CPI (@camarotedacpi), que já tem mais de 50 mil seguidores no Twitter. Outro também muito atuante, chamado JaIrme's Vaccine Race (@jairmearrependi), fez um cartaz da programação da comissão como se fosse a escalação do Lollapalooza. Tem ainda o Marcelo Adnet narrando a comissão como se fosse o Galvão Bueno. 


    As redes sociais têm fervido com os momentos de embate entre aliados do governo e políticos da oposição durante a CPI da Covid. Como o momento em que o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, ameaça pedir a prisão do ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten por mentir no depoimento.

    Por isso, tem quem associe a CPI da Covid como uma espécie de nova edição do Big Brother, tamanha a audiência e engajamento que a investigação tem gerado. Não é como se Calheiros ou Omar Aziz fizessem as vezes de Tiago Leifert e coordenassem os paredões aos domingos. Mas é possível sim traçar paralelos entre a comissão e os realities.

    O Expresso Ilustrada dessa semana analisa como a forma que os políticos se comportam influencia o engajamento das redes e a popularidade deles nesses espaços virtuais e também compara como a forma de consumir entretenimento pode se assemelhar à maneira como os espectadores se relacionam com a CPI.

    O episódio conta com a participação do diretor da Quaest e cientista político Felipe Nunes, que analisa as redes sociais dos políticos desde o início da CPI da Covid e traça paralelos da investigação com o reality show mais assistido do Brasil. Também participa Chico Barney, colunista do UOL, que reflete porque pode ser perigoso associar a CPI com entretenimento.

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 25 min
    Saiba como surgiu o verso 'ano passado eu morri'

    Saiba como surgiu o verso 'ano passado eu morri'

    O verso de dez palavras "ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro" costuma ser creditado a Belchior e se trata do trecho mais pop da música “Sujeito de Sorte”, lançada no disco “Alucinação”, de 1976.

    Mas, sua origem, na verdade, é de Zé Limeira. Nascido provavelmente no fim do século 19 e morto nos anos 1950, ele não deixou nada escrito, não foi fotografado nem teve a sua voz gravada. Tudo o que se sabe sobre ele foi passado no boca a boca ao longo de gerações.

    O Expresso Ilustrada dessa semana analisa a origem do verso que nasceu de Zé Limeira foi popularizado pelas mãos de Belchior e usado, mais recentemente, na faixa "AmarElo" de Emicida. O podcast também busca entender como o verso ficou tão famoso a ponto de virar grafite nos muros do país. 

    Para isso, o episódio conta com a participação do Bruno Molinero, editor do Guia Folha, Astier Basílio, escritor e pesquisador que estuda o Zé Limeira há 20 anos, e Jotabê Medeiros, jornalista e biografo de Belchior. 

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 31 min
    NFTs e os memes de gatinhos que custam milhões de dólares

    NFTs e os memes de gatinhos que custam milhões de dólares

    Em março deste ano,  a Christie's, uma das maiores casas de leilão do mundo, anunciou a venda da obra digital “Todos os Dias: Os Primeiros 5.000 Dias”, do artista Beeple, por cerca de R$ 387,5 milhões. A colagem fez história por ser tratar da primeira vez que uma casa de leilões tradicional comercializou uma obra de arte totalmente digital associada à tecnologia blockchain e vendida com um certificado de autenticidade digital, o NFT. Nesta semana, o episódio do Expresso Ilustrada explica o que são NFTs, o que eles significam para o mercado das artes e como eles podem ser um novo mundo para artistas digitais. Para isso, o podcast conta com a participação de Gabriel Aleixo, desenvolvedor de negócios na rede Hathor, plataforma de blockchain. Também participam os repórteres da Folha Carolina Moraes e João Perassolo.​

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 22 min
    O legado de Paulo Gustavo

    O legado de Paulo Gustavo

    Após mais de 50 dias internado por Covid-19, Paulo Gustavo morreu nesta terça-feira, dia 4. Humorista e ator, ele lotou teatros e bateu recordes de bilheterias com a trilogia "Minha Mãe É Uma Peça", em que ele interpreta a dona Hermínia, personagem inspirada em sua mãe.  Maior fenômeno de público da história do cinema brasileiro, ele foi um dos LGBTs mais conhecidos do entretenimento nacional e sua morte deixa um vazio na comédia do país. O Expresso Ilustrada dessa semana relembra a trajetória de Paulo Gustavo e analisa seu legado. Para isso, o podcast conta com a participação dos jornalistas Guilherme Genestreti, editor-adjunto da Ilustrada, e Renan Sukevicius, autor do blog Todas as Letras.  Com novos episódios todas as quintas, às 16h, o Expresso Ilustrada discute música, cinema, literatura, moda, teatro, artes plásticas e televisão. A edição desta semana é de Natalia Silva, e o roteiro é de Lucas Brêda e Isabella Menon, que também apresentam o programa.

    See omnystudio.com/listener for privacy information.

    • 33 min

Opiniões de clientes

4.6 de 5
80 avaliações

80 avaliações

Platini14 ,

Excelente Podcasts

Parabéns! Excelentes reportagens e histórias.

Dnzfrnc ,

Mais do mesmo

Referente ao deboche do lil nas xixi...queria ver ele debochar num próximo clipe do islamismo. Quero ver se tem coragem.

Aluiza86 ,

Gente “jovem” falando de forma comprometida sobre arte e cultura.

Adoro a abordagem. É possível falar de arte de forma séria e sem afetação. Embora tenham uma pitada de “sampa centro do mundo” ( não me refiro ao sotaque! Rsrs! Esse tá de boa) isso não afeta em nada essa pegada jovial e ao mesmo tempo séria ( sei lá por que motivo esses dois atributos teriam de estar separados!) sobre o mundo da cultura! Gosto muito e já “assisti” todos os episódios. O do palhaço me emocionou, o do Zé do caixão amplia e o da Sjunior é hilário !
Uma sugestão : galera da uma rodada pelo Brasil! da pra ter pauta muita coisa boa por aí ! Que tal a Flica , o Inhotim ou sei lá o diabo a quatro! Algo do sul , do norte ? Pensem aí.

Top podcasts em Notícias

Ouvintes também assinaram

Mais de Folha de S.Paulo